Medicação sumiu de dentro do Hospital da Criança, em Rio Branco. Sesacre garantiu que registrou um boletim de ocorrência e pediu novas doses do remédios para os pacientes.

Furto ocorreu dentro do Hospital da Criança, em Rio Branco — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre
Por Aline Nascimento, G1 AC — Rio Branco

A secretária Neiva Eliane ficou chocada quando soube que a medicação do tratamento da filha dela, Maria Eduarda, de 10 anos, e do primo, de 1 ano e 4 meses, foi furtada de dentro do Hospital da Criança, em Rio Branco.

As duas criança foram diagnosticadas com Atrofia Muscular Espinhal (AME) e tomariam a quarta dose do remédio na segunda-feira (9).

A mãe disse que a equipe médica, os pais e a direção do hospital só ficaram sabendo do furto das duas doses do remédio minutos antes da aplicação, quando os pacientes já estavam na sala de cirurgia.

_______________

“O tratamento do Otávio, que está internado e respira com ajuda de aparelhos, e da Maria Eduarda foi suspenso porque furtaram a medicação. Não tem no hospital, simplesmente sumiu. A gente lutou tanto para eles tomarem a medicação e, na última dose, acontece isso. É um absurdo”, criticou.

_______________

Em nota, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) confirmou o furto da medicação, mas ressaltou que já registrou um boletim de ocorrência e acionou a Polícia Civil para investigar o crime. A Saúde garantiu também que já solicitou as doses do remédio.

(Veja nota na íntegra)

“A Sesacre, no entanto, já acionou o Ministério da Saúde, em Brasília, para que um novo lote seja enviado para o Acre em caráter de urgência, de modo a não prejudicar os dois pacientes que precisam do remédio”, explicou.

Tratamento

A filha de Neiva foi diagnosticada com a doença aos 8 anos. A mãe revelou que a filha e o primo começaram a tomar as doses do remédio em dezembro do ano passado. Foram aplicadas três doses de 14 em 14 dias e na segunda (9) seria a última do tratamento para evitar que os pacientes tenham crises.

“Iam tomar a quarta dose semana passada, mas não deu certo porque estava faltando anestesista. Hoje [segunda,9], a Maria Eduarda internou para tomar a medicação e o Otávio já estava no centro cirúrgico. Mas, quando a enfermeira foi buscar não achou a medicação. A médica pediu para suspendeu até achar o remédio”, relembrou.

Ao perceber que algo estava errado, a mãe buscou a direção da unidade. Após algumas horas de buscas pelo hospital, a equipe concluiu que os remédios tinham sumido e se reuniu com os pais.

“Tivemos que entrar na Justiça e aguardamos por mais de anos. Uma dose custa R$ 370 mil, é muito caro. Falamos com o pessoal da farmácia, com o diretor, fui na direção. Achei que alguém tinha jogado no lixo, ou algo assim”, lamentou.

Aos pais, a direção da unidade também prometeu que as crianças vão receber o remédio o mais breve possível. Mas, Neiva teme pela saúde da filha e do primo, que respira com ajuda de aparelhos.

“Minha preocupação, como mãe, é saber se vão cumprir com o que falaram. Se não tomarem a quarta dose da medicação, o tratamento volta para o zero”, concluiu.

Veja nota da Sesacre:

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) confirma que houve furto de medicamento, no Hospital da Criança, destinado às únicas duas crianças existentes no estado com atrofia muscular espinhal.

A Sesacre, no entanto, já acionou o Ministério da Saúde em Brasília para que um novo lote seja enviado para o Acre em caráter de urgência, de modo a não prejudicar os dois pacientes que precisam do remédio.

Informa ainda, por meio da sua assessoria jurídica, que imediatamente após ser descoberto o furto, um boletim de ocorrência policial foi realizado, seguido de abertura de inquérito policial para apurar as circunstâncias em que o lote de medicamento foi levado.

Comentários