Conecte-se conosco





Geral

Coordenador do SAMU rebate nota do Sindmed e diz que órgão não abandonou Brasiléia

Publicado

em

Hospital Regional do Alto Acre em Brasiléia – Foto: Alexandre Lima

O coordenador do Samu, médico Pedro Pascoal, se posicionou em relação as críticas proferidas pelo Sindicato dos Médicos do Acre em relação à situação denunciada por meio de uma nota. A entidade médica, por meio de seu vice-presidente, Rodrigo Santiago, afirma que o SAMU cancelou o apoio que vinha sendo dado ao Alto Acre.

Procurado pelo, Pedro Pascoal contestou a acusação. “Acho que é um entendimento errôneo do Dr. Rodrigo. O Samu de Brasileia possui apenas uma ambulância de suporte básico. O que aconteceu foi que por causa do surto de dengue e o aumento do fluxo migratório que sobrecarregou o Hospital de Brasileia nós disponibilizamos uma outra ambulância, mas acordado de que o transporte de pacientes seria feito com a equipe deles”, diz Pascoal.

O coordenador do Samu afirma ainda que a ambulância de suporte avançado vai ficar na região para atender os municípios do Alto Acre.

“Inclusive essa ambulância de suporte avançado que está lá, vai ficar para atender os pacientes de Xapuri, Assis Brasil e Epitaciolândia com escala feita pelo Hospital Raimundo Chaar.

 

VEJA DENUNCIA:

‘Há somente uma sala para atender grávidas do Alto Acre no Hospital de Brasiléia’, denuncia vice-presidente do Sindmed-AC

O Hospital Regional Raimundo Chaar, em Brasiléia, no interior do estado, enfrenta diversos problemas que prejudicam a oferta de um bom serviço à população do Alto Acre (Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia e Xapuri). Após uma fiscalização de rotina, o vice-presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), Rodrigo Santiago, e a diretora fiscal, Ana Paula Pessoa, denunciam a existência de somente uma sala para atender às grávidas dos cinco municípios da região na unidade.

“Esse único espaço é utilizado tanto para atender às gestantes que fazem acompanhamento/ avaliação de rotina como às que chegam em trabalho de parto. Se houver mais de uma para ser atendida, tem que esperar o parto acontecer para poder fazer a avaliação de outra. É preciso organizar para fazer uma sala de atendimento e outra de parto. A mesa ginecológica é usada como maca em outro setor, falta um simples estetoscópio de Pinard para as gestantes e só tem um sonar, que corre o risco de não funcionar por mal contato da fiação”, conta o sindicalista.

Falta de equipamentos de proteção individual (EPIs), insuficiência de colchões/lençóis descartáveis para as macas da unidade, fornecimento de apenas um avental aos médicos ao dia no setor COVID, escassez de remédios básicos como antibióticos e quadro de profissionais incompleto são alguns dos outros diversos problemas encontrados durante a fiscalização. Todo diagnóstico feito ao longo da visita será apresentado à Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) pela Diretoria do sindicato, que cobrará ações.

“Outro problema afeta o SAMU.De forma unilateral e sem dar explicações formais, a direção do SAMU avisou verbalmente que cancelaria o apoio que vinha sendo dado ao Alto Acre pela ambulância de suporte de vida avançado do SAMU, obrigando os médicos plantonistas a terem que abandonar os seus plantões a fim de acompanharem pacientes às vezes graves à Rio Branco, em claro desvio de função, possivelmente incorrendo em infração ética, sobrecarregando os demais plantonistas que ficam no plantão, e submetendo a população, em decorrência de tudo isto, a uma assistência de pior qualidade, agravando o seu risco de morbi-mortalidade.Esse déficit gera furos na escala e aumenta o risco de adoecimento e de insatisfação da categoria pelas precárias condições de trabalho que é obrigada a suportar. A estrutura física do hospital é imensa, mas pouco aproveitada por falta de pessoal. Existe um tomógrafo que ainda está na embalagem. A empresa que iniciou a montagem parou por falta de pagamento”, encerra Santiago.

Comentários

Em alta