Vereadora Erizete Lima, do PT - Foto:
Vereadora Erizete Lima, do PT – Foto:

Parlamentar que na legislatura passada ajudava na aprovação de projetos do executivo em menos de uma hora que chegava a Câmara, “agora” se contradiz e quer projetos seguindo o regimento a risca e passando por comissões.

WILIANDRO DERZE, jornalista

A vereadora Erizete Moraes (PT) vem se posicionando firmemente contra as ações do executivo. Na última sessão da Câmara de Vereadores, quando se debatia o projeto de suplementação do orçamento, a parlamentar disse que projetos mesmo em caráter de urgência, urgentíssima teria que tramitar nas comissões para depois ser votado. A posição da vereadora é contraditória as atitudes que tinha na legislação anterior, quando era da base de sustentação da ex-prefeita.

A vereadora disse que o projeto do executivo mesmo sendo apresentado em regime de urgência, deve tramitar pelas comissões no prazo máximo de seis dias. Posicionamento que deixou todos surpresos, tendo em vista que o projeto pode ser colocado para o plenário votar, já que é soberano sobre as tomadas de decisões no parlamento.

O projeto que pede em sua mensagem uma atenção prioritária foi questionado por Erizete, mesmo sabendo que a aprovação vem beneficiar várias ações do município, inclusive ajudar no pagamento dos prestadores de serviços, que por conta do travamento do projeto estão sem receber.

O presidente da Câmara de Vereadores, Mario Jorge disse que agora a parlamentar quer cumprir o Regimento Interno da Casa em todos os seus pontos e vírgulas. “O engraçado é que na legislatura passada projetos chegavam nessa Casa uma hora antes de começar a sessão e logo era aprovado sem questionamento. Não tramitava nem nas comissões, mas mesmo assim era aprovado. Faremos como manda o regimento atrasado que temos, depois de tramitado vamos colocar para votação, mas não podemos esquecer como era feito nas legislaturas passadas” destacou.

A parlamentar não se pronunciou depois da fala do presidente da Casa, tendo em vista que na legislatura passada a vereadora votava os projetos logo que chegava ao parlamento. A resposta do presidente foi como um “carão” dos que o senador Pedro Simon (PMDB) vem dando na presidente Dilma nos debates no Senado Federal, ou seja, de forma clara e com classe de parlamentar experiente que conheceu muito bem a gestão anterior.

A parlamentar é uma das lideres da oposição que tentam encontra questionamentos para barra o projeto de suplementação, que era feito por diversas vezes na gestão anterior com a aprovação da vereadora sem qualquer argumento contraditório.

Presidente da Câmara Municipal, Mário Jorge, do PSB - Foto: Assessoria
Presidente da Câmara Municipal, Mário Jorge, do PSB – Foto: Assessoria

 

Comentários