Ex diretor-geral, Renato Dias, já havia antecipado novo concurso PRF (Polícia Rodoviária Federal) em 2019, com muito mais vagas do que a seleção anterior. Processo foi enviado ao Ministério da Economia

Conforme anunciado em março pelo JC Concursos, a realização do novo concurso PRF 2019 (Polícia Rodoviária Federal) está cada vez mais próxima de se concretizar. De acordo com informações divulgadas pelo órgão, o pedido do novo certame já foi encaminhado para o Ministério da Economia, visando o preenchimento de nada menos do que 4.435 vagas, sendo 4.360 para o cargo de policial rodoviário, que pede nível superior para ingresso, e 75 para a carreira de agente administrativo, para quem possui ensino médio. Agora, a expectativa é de que alguma definição seja anunciada o quanto antes pelo ministro Paulo Guedes.

Quem estiver interessado em ingressar na carreira de policial rodoviário deve possuir curso de nível superior em qualquer área de formação, além de carteira de habilitação a partir da categoria “B”.  A remuneração inicial do cargo é de R$ 10.357,88, já considerando o auxílio-alimentação de R$ 458,00.  No caso do cargo de oficial administrativo, o inicial é de R$ 4.022,77, já incluindo o auxílio-alimentação, também com 40 horas semanais.

Mesmo com um concurso da PRF realizado recentemnte, uma nova seleção para este ano já estava sendo cogitada, tendo em vista que o total oferecido no certame não supre as necessidades do órgão.  Em 16 de janeiro de 2019, o diretor-geral da corporação, Adriano Marcos Furtado, confirmou a possibilidade de outra seleção, em visita à sede da FenaPRF (Federação Nacional dos Policiais Federais Rodoviários). A reunião também contou com o diretor executivo do órgão, José Lopes,  e o presidente da federação, Deolindo Paulo Carniel.

Na ocasião, o sindicalista solicitou que o diretor-geral fizesse gestão junto ao governo para a realização de novos concursos, no sentido de suprir as vagas existentes em lei. De acordo com ele, a corporação ainda conta com uma defasagem de aproximadamente 3 mil servidores, podendo chegar a 5 mil em 2022. Nesgte sentido, o novo pedido encaminhado pelo órgão já tem por finalidade suprir as necessidades que forem surgindo dentro deste período.

Vale lembrar que, em novembro, o então diretor-geral, Renato Dias, em resposta a questionamentos de candidatos em uma rede social, já havia antecipado que um outro certame estava previsto para ocorrer em 2019. Na ocasião, disse que a nova seleção deverá contar com muito mais vagas do que as 500 autorizadas para o concurso de 2018, em andamento.

Saiba mais sobre a carência de pessoal da PRF

Desde antes da autorização do atual concurso PRF, o então diretor-geral já alertava que o total de 500 vagas seria insuficiente para suprir as necessidades do órgão, que atualmente é de aproximadamente 3 mil profissionais, em decorrência de mais de 2 mil aposentadorias ocorridas em 2018.

Além de prejudicar as atividades operacionais, a falta de pessoal deve acarretar o fechamento de 124 postos no país,  prejudicando aproximadamente 400 municípios, com a suspensão de policiamento em 18 mil quilômetros de rodovias.

Saiba as atribuições do policial e agente rodoviário

Cabe ao policial rodoviário da PRF desenvolver atividades de natureza policial, envolvendo fiscalização, patrulhamento e policiamento ostensivo, atendimento e socorro às vítimas de acidentes rodoviários e demais atribuições com a área operacional do Departamento de Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Já no caso de agente administrativo, cabe ao servidor executar atividades administrativas (de nível intermediário), relativas às competências legais da corporação , prestação de apoio técnico administrativo à área finalística da Instituição.

Saiba como foram os últimos concursos da PRF

O último concurso PRF para policial rodoviário, iniciado em 2018, contou com uma oferta de 500 vagas, sendo organizado pelo Cebraspe. A seleção contou com provas objetivas, dissertativas, exames de capacidade física, exames de saúde, avaliação psicológica análise de títulos, investigação social e curso de formação.

A parte objetiva contou com 120 itens, versando sobre língua portuguesa, raciocínio lógico-matemático, informática, noções de física, ética no serviço público, geopolítica brasileira, legislação de trânsito, noções de direito administartivo, noções de direito constitucional, noções de direito penal e processual penal, legislação especial e direitos humanos e cidadania.

No caso de agente administrativo, o último concurso PRF foi em 2014, sendo organizado pela Funcab. A prova objetiva contou com 60 questões, sendo 12 de língua portuguesa (com peso dois), 6 de ética e conduta pública (1), 6 de raciocínio lógico (1), 6 de noções de direito constitucional (1,5), 6 de direito administrativo (1,5), 6 de noções de administração (1,5), 6 de noções de arquivologia (1,5), 6 de noções de informática (1,5) e 6 de legislação relativa à PRF (1,5). O concurso também contou com perícia médica e investigação social

Prova anterior PRF

Para auxiliar nos estudos, o JC Concursos liberou as provas anteriores para o cargo de policial rodoviário federal, além dos gabaritos para consulta das questões aplicadas. É importante avaliar se a organizadora será a mesma para o novo concurso PRF, direcionando a preparação para o estilo da banca.

Etapas do concurso PRF 2019

Para a orientação completa dos candidatos que se preparam pela primeira vez, o JC Concursos organizou as etapas e procedimentos do processo de seleção:

  • Pedido do concurso – O primeiro passo no processo de abertura de um concurso é o envio do pedido para abertura das vagas por parte do próprio órgão. Com a solicitação em mãos, o governo (seja municipal, estadual ou federal) analisa a viabilidade para realização do concurso, considerando aspectos técnicos e financeiros.
  • Autorização – O que geralmente indica que o concurso PRF está de fato confirmado é a autorização governamental. No governo federal, ela tem duração de seis meses, ao passo que nos governos estaduais pode variar de acordo com a localidade (em São Paulo, por exemplo, é um ano).
  • Formação da comissão – Uma vez autorizado, o concurso PRF 2019 depende da constituição da comissão que ficará responsável por seus preparativos, o que inclui a contratação da banca organizadora do processo seletivo.
  • Contratação da banca – Os candidatos direcionam seus estudos de acordo com a organizadora responsável pelo concurso público, pois cada uma tem estilos e conteúdos distintos de prova. Essas entidades e empresas são responsáveis pela divulgação do concurso, inscrição, pela elaboração do conteúdo da prova, logística de aplicação, fiscalização no dia do exame, correção, divulgação dos resultados e julgamento dos recursos dos candidatos questionando provas e gabaritos. A contratação pode acontecer por meio de dispensa de licitação, quando um órgão público pode contratar uma empresa organizadora sem a necessidade de licitação, desde que a escolhida detenha inquestionável reputação ético-profissional, não tenha fins lucrativos, seja reconhecida como de utilidade pública ou de notória especialização – que realiza serviço de natureza singular; ou por meio de licitação, quando o menor preço é o critério de seleção da proposta mais vantajosa para a administração, desde que esteja de acordo com as especificações do edital ou convite. Entre as modalidades de licitação estão o pregão presencial, pregão eletrônico, tomada de preços e carta convite.
  • Edital do concurso – A publicação do edital PRF é o ponto alto na abertura de um concurso, pois é o que possibilita os candidatos a se inteirarem sobre todos os detalhes com relação às vagas, inscrições e provas. É nele também que consta o conteúdo programático, com todos os assuntos e tópicos que podem ser cobrados na prova, peça-chave na preparação para um concurso.
  • Redução de taxa – Os órgãos costumam possibilitar o pedido de redução e, em alguns casos, até isenção do pagamento da taxa de inscrição de um concurso. Geralmente, este benefício é oferecido a membros de famílias de baixa renda, candidatos desempregados e/ou doadores de sangue ou medula óssea. Quem se interessar precisa estar atento, pois os prazos para solicitação costumam anteceder os prazos oficiais de inscrição, de forma a permitir que quem tiver o pedido indeferido ainda possa se candidatar, pagando a taxa.
  • Inscrição – Assim que o concurso PRF for autorizado e o edital publicado, o prazo de inscrições para o concurso será divulgado. As candidaturas provavelmente poderão ser feitas somente pela internet, através do site da empresa que será contratada para organizar a seleção, mediante o pagamento de uma taxa de inscrição que ainda será estabelecida pelo órgão.
  • Retificação do edital – E se, depois do edital PRF publicado, o órgão perceber que algo saiu errado? Ou sentir a necessidade de realizar algum ajuste repentino? Para isto basta publicar uma retificação, apontando com clareza o que foi alterado.
  • Lista de inscrições deferidas – Após o término das inscrições e, geralmente, eventuais retificações, a banca organizadora tem por costume publicar a lista de inscrições deferidas e indeferidas. Nesta fase é importante o candidato conferir  a relação para ter confiança que sua inscrição foi efetuada. Em caso de indeferimento por algum motivo, dependendo do caso existe a possiblidade de o candidato buscar auxílio junto a banca para  retificar eventuais irregularidades. Isto impede que o candidato corra o risco de achar que está inscrito no concurso e, posteriormente, no dia da prova, descobrir que seu nome não consta entre os participantes.
  • Convocação para prova – Alguns dias antes da prova, os candidatos costumam ser “convocados” para a avaliação. É quando eles recebem a confirmação do dia, horário e local do exame. Os órgãos aproveitam o momento para reforçar algumas normas com relação às provas (qual deve ser o tipo da caneta, que tipos de aparelhois são proibidos, qual será o horário de abertura dos portões etc.).
  • Prova do concurso PRF – As provas objetivas costumam trazer questões variando entre os esquemas “múltipla escolha” e “certo ou errado”, o que depende muito de qual empresa foi contratada para organizar o concurso.
  • Gabarito e recursos – Os gabaritos da prova do concurso devem ser publicados até três dias após a aplicação dos exames. As respostas poderão ser consultadas no site da empresa que estará responsável pela organização do processo seletivo. É de responsabilidade do candidato ir atrás dessas informações, uma vez que as organizadoras não costumam enviar as respostas por e-mail ou carta registrada. Após a consulta dos gabaritos, os candidatos poderão ter uma ideia de como se saíram nas provas, com base nos erros e acertos. Quando um candidato, por algum motivo, não concorda com as respostas dispostas no gabarito, há a possibilidade de interpor um recurso contra qualquer uma delas. Os órgãos costumam abrir um prazo para a realização desses pedidos logo após a divulgação do gabarito. O resultado dos recursos tem que obrigatoriamente ser publicado antes do resultado final do concurso.
  • Resultado provisório e recursos – Após a análise de recursos sobre o gabarito, a banca já pode avaliar o desempenho dos candidatos e, consecutivamente, elaborar a lista de aprovados. Após a divulgação da primeira lista de aprovados um novo prazo de recursos é aberto, para que os participantes possam apresentar novos recursos, em caso de questionamentos sobre o próprio desempenho ou a classificação. Somente após a análise destes recursos a lista e aprovados definitiva é publicada.
  • Resultado final do concurso – Se o processo seletivo não contar com mais nenhuma etapa além da prova objetiva, a organizadora já estará pronta para publicar o resultado final do concurso. É com a publicação da classificação que os candidatos ficam sabendo, de fato, como se saíram na seleção e se foram aprovados.

O JC Concursos fará a apuração completa sobre o novo concurso PRF em contato com as associações e órgãos responsáveis pelo encaminhamento do pedido realizado.

Sobre PRF – Polícia Rodoviária Federal

A Polícia Rodoviária Federal está presente em todo o território nacional. Conta com uma unidade administrativa central, a sede nacional, em Brasília, e unidades administrativas regionais, com 22 superintendências nos Estados de GO, MT, MS, MG, RJ, SP, ES, PR, SC, RS, BA, PE, AL, PB, RN, CE, PI, MA, PA, SE, RO e TO, além de cinco distritos, em DF, AC, AM, AP e RR. Também é formada por 150 subunidades administrativas, denominadas delegacias, e 413 unidades operacionais (Uops), totalizando 550 pontos de atendimento. Cabe ao serviço da PRF garantir segurança com cidadania nas rodovias federais e nas áreas de interesse da União. Além disso, tem por objetivo ser reconhecida pela sociedade brasileira por sua excelência e efetividade no trabalho policial e pela indução de políticas públicas de segurança e cidadania.

Fonte: Bol

Comentários