Com vacinação contra gripe aberta para toda população, AC disponibiliza mais de 60 mil doses 
Por Alcinete Gadelha

A vacinação contra a gripe foi aberta para toda a população no Acre, que disponibiliza mais de 60 mil doses da vacina em todo estado.

As pessoas que não vacinaram durante a primeira e segunda etapa da campanha, que encerrou dia 30 de junho, já podem fazer o agendamento nas unidades de saúde dos municípios.

Para crianças de seis meses a seis anos incompletos e para as gestantes que fazem parte do público-alvo, mas que encerraram a campanha sem atingir a meta, vão continuar sendo vacinadas, informou a gerente do Núcleo do Programa Estadual de Imunização (PNI), Renata Quiles.

“Tenho ainda em estoque 64 mil doses. Não tenho como ter acesso aos estoques dos municípios, mas na última semana todos foram abastecidos com doses e o estado tem essa quantia e ainda podemos receber mais”, informou.

Apesar de a vacina não proteger contra o coronavírus, ela diminui a circulação da gripe entre a população, auxilia os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para Covid-19, já que os sintomas são parecidos, e ajuda a reduzir a procura pelos serviços de saúde.

“A campanha se estende, mas deixa de chamar prorrogação porque não está restrita aos grupos prioritários. O Ministério da Saúde (MS) orientou que a gente faça um levantamento do público que a gente não alcançou, principalmente crianças e gestantes, reserve essas doses e o que sobrar a gente abre para toda população”, explicou.

A vacinação deve seguir até enquanto durar os estoques. E pode ser feita por meio de agendamento.

“É importante fazer o agendamento para evitar filas, entrar em contato com as secretarias de saúde dos municípios para tentar evitar ficar circulando”, explicou.

Desde o dia 3 de julho, quando começou a etapa aberta para a população, já foram aplicadas 12,2 mil doses.

Sem bater meta

O Acre não conseguiu bater a meta de vacinar 90% do público-alvo durante o período regular da campanha. No estado, mais de 296 mil pessoas tinham que ter sido imunizadas, mas só 75% tomou a vacina.

Dentro do grupo prioritário que é composto por idosos, crianças, gestantes, trabalhador de saúde, puérperas, indígenas e adultos de 55 a 59 anos, a menor cobertura foi entre grávidas e crianças que não ultrapassaram os 50%. Já idosos e servidores da saúde chegaram a 100% da cobertura.

“A gente tem levado em consideração todo cenário. Era esperado que ia cair por causa da pandemia, mas, nós criamos alternativas, como visita nas casas e agendamento, e não tivemos o retorno esperado”, pontuou Renata.

Mesmo com a vacina aberta para toda população, a gerente diz que vai ser mantida a mesma ação para que todos sejam imunizados além de aumentar a conscientização da população.

Comentários