Municípios foram alertados sobre intensificações das ações de combate e prevenção a dengue — Foto: Freepik
Por Aline Nascimento

Com mais de 11 mil casos notificados de dengue no Acre, os municípios estão sendo alertados e orientados para redobrar as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Nesta terça-feira (24), o Ministério da Saúde lançou a campanha ‘Combater o mosquito é com você, comigo, com todo mundo’, para mobilizar a população e os gestores locais contra o aumento no número de casos.

Segundo dados do Núcleo de Doenças Transmitidas por Vetores do Departamento de Vigilância em Saúde do Acre, entre janeiro e o dia 14 de novembro – término da 46ª semana epidemiológica – o estado registrou 11.410 notificações da doença e 5.013 casos confirmados.

___________________

O Acre tem 15 cidades com risco de surto da doença, segundo os dados do boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) nessa segunda (23).

___________________

No Brasil, os casos de dengue chegaram a 971.136 até o último dia 14. Mais de 520 pessoas já morreram vítimas da doença no país em 2020.

“É um momento bem sazonal dessas doenças, que o mosquito tem mais facilidade de se proliferar e o aumento dos casos reflete ao período, sendo essencial que a população intensifique as medidas para evitar a proliferação do vetor”, destacou o técnico do Núcleo, Gabriel Mesquita.

Ainda segundo o Núcleo, no mesmo período do ano passado o número de notificações era 11.846 e de casos confirmados 6.517.

Campanha

A campanha da Saúde vai ser dividida em duas fases: a primeira é um alerta veiculado na TV, rádio, internet e outras mídias sobre a importância de retirar dos quintais e propriedades objetos que podem acumular água.

Já a segunda vai informar sobre os sintomas e os tratamentos oferecidos contra a dengue, zika e chikungunya.

Gabriel Mesquita destacou que a adesão da campanha fica a critério de cada município. Contudo, o Núcleo informou que já emitiu um alerta para os municípios intensificarem as ações nesse período do ano.

“Apelamos para que a população permita que os agentes entrem nas casas para realizar as ações, porque nesse momento da pandemia as pessoas têm medo de receber os agentes”, pediu.

Diferença dos sintomas de Covid-19 e dengue

A infectologista Rita de Cássia Lima explicou sobre as principais diferenças entre os sintomas de dengue e de Covid-19, já que muitas pessoas acabam confundindo as doenças por terem alguns sintomas parecidos.

No caso da dengue, a principal diferença, segundo a médica, é com relação às dores nas articulações, moleza e vermelhidão que aparece pelo corpo. Já na Covid-19, os sintomas mais característicos são a dor de garganta, perda de paladar, olfato e tosse.

Nas duas doenças, alguns pacientes costumam apresentar febre, dor de cabeça, falta de apetite e dores pelo corpo.

“Estamos iniciando o inverno amazônico e temos que atentar também para outras doenças, principalmente a dengue que surge em maior intensidade nesse período. Como os sintomas são parecidos, a pessoa não tem que ficar em casa esperando. Quando tiver sintomas de febre, dor de cabeça, dor no corpo, já deve procurar a unidade sentinela de síndrome gripal, que lá, além do médico investigar a questão da Covid, se for necessário, já faz sorologia e verifica a dengue e também malária”, reforçou a médica.

Comentários