O aumento crescente e descontrolado do desmatamento dentro da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes levou a presidência do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) em Brasília a adotar uma série de medidas para enfrentar a situação.

Uma delas será garantir vida própria ao órgão no Acre, terra natal do líder seringueiro e da responsável pela criação do ICMBio, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva. Passados 11 anos desde a criação do instituto, que ficou responsável por cuidar das unidades de conservação do país, o Acre deixará de estar subordinado à coordenação regional sediada em Porto Velho.

A partir das próximas semanas, o braço do instituto no Acre terá vida própria, não dependendo mais de Rondônia para definir suas ações. Atualmente, apenas as chefias de cada unidade de conservação no Estado têm certa autonomia, entre elas a Resex Chico Mendes, a do Alto Juruá e a Cazumbá-Iracema.

A situação do ICMBio no Acre é de quase penúria. Com quase um milhão de hectares, a Resex Chico Mendes, como exemplo, tem apenas quatro servidores para cuidar da área, sendo que grande parte dela está pressionada pelo agronegócio.

Nos bastidores do instituto no Acre já começam algumas movimentações para saber quem vai assumir a coordenação regional. Desde reportagem publicada pela revista “Veja” mostrando o avanço da pecuária e do desmatamento na Resex Chico Mendes, a presidência do órgão decidiu reforçar sua atuação dentro da unidade.

Entre está a ampliação do número de operações, de funcionários e o recadastramento de todas as famílias para regularizar a situação fundiária de cada uma.

Comentários