Casos que foram confirmados no mês de maio não possuem uma causa comum porque são de municípios diferentes, segundo boletim.

O boletim epidemiológico das meningites, divulgado pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), no Acre registrou 45 notificações de meningite até 14 de agosto Deste total, 11 casos foram confirmados e quatro pessoas morreram.

Das notificações, quatro ainda estão sob investigação. De acordo com a coordenadora da Área Técnica das Meningites do estado, Helena Catão, o número ainda está dentro da normalidade, se comparado ao registrado nos dois últimos anos.

“Em 2019 não observamos um comportamento fora do padrão da doença em relação aos anos anteriores. Então, está dentro da normalidade e todos os casos que foram investigados estão dentro dos casos confirmados. No processo de investigação não foi verificado uma relação entre esses casos”, explica.

Em 2017 foram sete óbitos, e o pico dos casos confirmados ocorreu em fevereiro; em 2018, ocorreram seis mortes, com o pico no mês de julho e um total de 29 casos confirmados durante todo o ano. Já em 2019, os registros aumentaram no mês de maio. Neste ano, foi registrado um total de quatro mortes, informou Helena.

Os casos confirmados da doença neste ano estão nos municípios de Rio Branco, Feijó e Tarauacá com dois casos respectivamente; Epitaciolândia e Bujari, com um cada, e o maior número com três ocorrências está em Senador Guiomard.

De acordo com a coordenadora, quando são registrados esses casos suspeitos, os municípios desenvolvem algumas medidas de prevenção e controle.

“Dentre eles, se faz o levantamento dos contatos desse caso suspeito, que podem ser pessoas que moram na mesma casa, frequentam a mesma escola, local de trabalho, que são os trabalhos mais próximos. Então é feito o levantamento e é feita quimioprofilaxia deles e também é solicitado que os municípios façam uma intensificação vacinal com as vacinas que protegem contra os vários tipos de meningite”, informou.

Nessa intensificação é feito também uma busca por crianças e adolescentes que estejam com a carteira vacinal atrasada e é feita a atualização do esquema vacinal deles. Além disso, a área onde tiver ocorrido o caso suspeito, eles ficam sob vigilância para ver se ocorrem outros casos relacionados.

“A gente tem critérios específicos, tem os critérios epidemiológicos que a gente segue. Crianças e adolescentes que estejam dentro da faixa etária para atualizar a situação vacinal”, pontua.

Ainda de acordo com Helena, os casos que foram confirmados no mês de maio não possuem uma causa comum porque são de municípios diferentes.

Orientação e prevenção

Após a internação de um paciente com meningite bacteriana em Rio Branco, a Sesacre divulgou, no dia 22 de junho, um boletim epidemiológico com os casos notificados, confirmados, e mortes pela doença no estado.

O material mostra os casos registrados na semana epidemiológica 24, que terminou no dia 15 de junho, e foram, ao todo, 21 casos notificados de meningite e seis confirmações da doença. E duas pessoas foram a óbito.

Helena informa que há quatro vacinas diferentes que imunizam contra meningite e alerta que é importante manter a carteira de vacinação das crianças atualizadas.

Comentários