Obra orçada em R$ 7 milhões está com a entrega atrasada há dois anos.
Seop diz que atraso ocorreu por problemas no recebimento de recursos.

G1

Há seis meses, Humberto não consegue tirar seu carro da garagem (Foto: Iryá Rodrigues/G1)
Há seis meses, Humberto não consegue tirar seu carro da garagem (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

O portão de casa é o limite que o servidor público Humberto Souza, de 55 anos, consegue chegar com o seu Toyota Bandeirantes. Devido à uma obra inacabada, na Travessa Carlos Santos, localizada no bairro João Eduardo I, em Rio Branco, um esgoto passa em frente à casa dele, impossibilitando a passagem de veículos no local. Como Souza não tirou o carro da garagem antes da abertura da rua, há seis meses o veículo dele está parado sem ter como sair do lugar. O prejuízo, segundo ele, já chega a R$ 1 mil.

“Não consigo sair porque corro o risco de cair dentro desse igarapé, porque essa vala parece um igarapé. Antes eu tirava, podia estar chovendo ou fazendo sol, o carro saía. Mas agora, depois que fizeram isso, não tenho como. Tenho que trocar os retentores do carro, além de  comprar outro amortecedor”, reclama.

De acordo com o informativo exposto na placa, no início da rua, a obra está orçada em mais de R$ 7 milhões e foi iniciada em maio de 2012. Ela deveria ter sido entregue em janeiro de 2013, somando dois anos de atraso na entrega.

O servidor também calcula outros prejuízos, pois, segundo ele, não conseguiu vender a casa porque a compradora ao ver o local e o esgoto desistiu do negócio. “Ela adorou a casa, mas quando viu esse esgoto aqui disse que não compraria”, lamenta.

4307744

Além do Toyota, Souza tem outro carro, modelo Fiesta, que precisa ser estacionado na rua, porque não é possível colocá-lo na garagem. “Outro prejuízo porque ele fica fora de casa, pegando sol e chuva e está também todo arranhado porque à noite uns meninos ficam em cima fazendo uso da droga. Vou ter que mandar pintar todo”, conta.

Souza conta que o mau cheiro e também a chuva causa transtornos ao moradores. De acordo com a comunidade, ao menos dez casas são diretamente afetadas com o esgoto. “Têm dias que ninguém aguenta o cheiro ruim que sobe aqui”, lamenta.

Humberto acredita que deve gastar cerca de R$ 1 mil reais para arrumar o carro que está parado há seis meses (Foto: Iryá Rodrigues/G1)
Humberto acredita que deve gastar cerca de R$ 1 mil
reais para arrumar o carro que está parado
há seis meses (Foto: Iryá Rodrigues/G1)

Outro morador da rua, Emerson Dourado, estudante de 27 anos, conta que a sua locomoção só não foi prejudicada porque anda de moto, mas, mesmo assim, ele reclama do atraso na obra e diz que a ideia não saiu do papel.

“Nos prometeram a rua aqui, mas nada foi feito. Estamos com sérios problemas de locomoção. Já protestamos, entramos em contato várias vezes com o Depasa [Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento], mas até agora não obtivemos sucesso. Eles não falam nada. A ideia foi muito boa, mas ficou apenas no papel”, instiga.

O G1 entrou em contato com o Depasa, que informou que a obra era de responsabilidade da Secretaria Municipal de Obras Pública (Seop), que alegou que a obra está parada por conta de um problema no recebimento de um recurso federal. “Inclusive, o governador está hoje [quarta-feira, 8] no Ministério das Cidades para garantir esse recurso. Não há uma previsão”, diz o diretor da pasta, Átila Pinheiro.

Esgoto impede locomoção de moradores em bairro de Rio Branco (Foto: Tácita Muniz/G1)
Esgoto impede locomoção de moradores em bairro de Rio Branco (Foto: Tácita Muniz/G1)

Comentários