Boca de urna aponta que atual presidente teve 60% dos votos. Resultados oficiais ainda não foram divulgados.

G1

Evo Morales saúda simpatizantes que se reuniram na Plaza Murillo, após sua chegada ao Palácio Presidencial, em La Paz. (Foto: Cris Bouroncle / AFP Photo)
Evo Morales saúda simpatizantes que se reuniram na Plaza Murillo, após sua chegada ao Palácio Presidencial, em La Paz. (Foto: Cris Bouroncle / AFP Photo)

O principal candidato de oposição à presidência da Bolívia reconheceu nesta segunda-feira (13) ter sido derrotado pelo atual presidente, Evo Morales, após pesquisas de boca de urna apontarem que o atual mandatário venceu de maneira fácil a disputa presidencial.

Segundo as pesquisas, Morales, que se tornou o primeiro presidente indígena do país ao ser eleito em 2006, conseguiu cerca de 60% dos votos, com vitória em oito das noves regiões do país.

O magnata do cimento Samuel Doria Medina, que segundo as estimativas teve 25 dos votos, culpou o ex-presidente Jorge Quiroga por sua terceira derrota eleitoral para Morales. Segundo Medina, Quiroga se envolveu com a campanha tarde demais, o que fez com que os opositores do atual presidente se dividissem.

Os resultados oficiais ainda não foram divulgados – o site do órgão responsável pela apuração computa menos de 3% dos votos contabilizados. As autoridades eleitorais disseram que dificuldades técnicas causaram os atrasos, e que os resultados oficiais devem sair ainda nesta segunda.

Com a vitória, Morales cumprirá seu terceiro mandato como presidente da Bolívia, para o período 2015-2020.

Dedicatória
Após o fim da eleição e o anúncio das primeiras pesquisas, Morales saiu à varanda do Palácio de governo para comemorar perante uma multidão sua vitória eleitoral – segundo pesquisa de boca de urna -, que dedicou ao líder cubano Fidel Castro, ao falecido líder venezuelano Hugo Chávez, e a todos os governos “anti-imperialistas” do mundo.

“Pátria sim, colônia, não!”, cantaram Morales e seus seguidores.

O governante também disse que a vitória demonstrou que na Bolívia “não há meia lua, mas lua cheia”, em referência à forma como os políticos opositores autonomistas se referiam às regiões orientais com o apelativo de ‘Meia Lua’.

Pela primeira vez na história, Morales conseguiu a vitória no próspero departamento (estado) de Santa Cruz, antigo reduto autonomista.

Segundo Morales, seu Movimento Ao Socialismo (MAS), ganhou em oito dos nove departamentos e ainda ‘briga voto a voto’ em um deles, em alusão à região amazônica de Beni, na qual segundo as pesquisas teria vencido o opositor Samuel Doria Medina, que em nível nacional teria obtido em torno de 25%.

O governante se dirigiu à oposição, à qual pediu para não promover confrontos e para trabalharem unidos pela Bolívia. “Pela Bolívia suportamos com muita paciência, não há porque comentar ou lembrar (…) Por isso os convocamos (os opositores) a somar, a trabalhar. Têm direito a discordar, mas acima disso está nossa querida Bolívia”, afirmou.

Comentários