fbpx
Conecte-se conosco

Brasil

Brasil não assina declaração de cúpula de Paz na Suíça, neste domingo

Publicado

em

Lula diz que presidentes de Ucrânia e Rússia deveriam se sentar à mesa para debater fim de conflito, não apenas um dos lados

O Brasil foi um dos países que não assinaram, neste domingo (16), o comunicado final da Cúpula para a Paz na Ucrânia, documento que pede o envolvimento de todas as partes nas negociações para alcançar a paz e “reafirma a integridade territorial” ucraniana.

Neste sábado (15), em entrevista coletiva na Itália, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva revelou que disse à presidente da Confederação Suíça, Viola Amherd, que tomou a decisão de não ir ao encontro internacional deste domingo porque o Brasil só participaria da discussão sobre a paz quando os dois lados em conflito, Ucrânia e Rússia, estiverem sentados à mesa.

“Porque não é possível você ter uma briga entre dois e achar que se reunindo só com um, resolve o problema”, afirmou. Diante do impasse dos dois chefes de Estado, Lula afirmou que o Brasil já propôs, em parceria com a China, uma negociação efetiva para a solução do conflito.

“Como ainda há muita resistência, tanto do Zelensky [Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia], quanto do Putin [Vladimir Putin, presidente da Rússia], de conversar sobre paz, cada um tem a paz na sua cabeça, do jeito que quer, e nós estamos, depois de um documento assinado com a China, pelo Celso Amorim [assessor-Chefe da Assessoria Especial do Presidente da República do Brasil] e pelo representante do Xi Jinping [presidente da China], estamos propondo que haja uma negociação efetiva.”

“Que a gente coloque, definitivamente, a Rússia na mesa, o Zelensky na mesa, e vamos ver se é possível convencê-los de que a paz vai trazer melhor resultado do que a guerra. Na paz, ninguém precisa morrer, não precisa destruir nada. Não precisa vitimar soldados inocentes, sobretudo jovens, e pode haver um acordo. Quando os dois tiverem disposição, estamos prontos para discutir”, acrescentou o presidente.

Ao encontro internacional deste domingo, o Brasil enviou a embaixadora do Brasil na Suíça, a diplomata Claudia Fonseca Buzzi. O presidente ucraniano também esteve na cúpula para obter apoio internacional para o seu plano de acabar com a guerra desencadeada pela invasão russa.

Sem unanimidade

Ao fim da Cúpula para a Paz na Ucrânia, na Suíça, não houve unanimidade entre as 101 delegações participantes. O documento, que pede que “todas as partes” do conflito armado estejam envolvidas para alcançar a paz, foi assinado por 84 países, incluindo lideranças da União Europeia, dos Estados Unidos, do Japão, da Argentina e dos africanos Somália e Quênia.

De acordo com o comunicado final, os países signatários assumem que os princípios de soberania, independência e integridade territorial de todos os Estados devem ser salvaguardados.

Quanto à segurança nuclear, os países que ratificaram a declaração final estabeleceram que o uso de energia e instalações nucleares deve ser seguro, protegido e ambientalmente correto. As instalações nucleares ucranianas, incluindo Zaporizhia, devem operar com segurança, sob total controle do país. O documento reforça que qualquer ameaça ou uso de armas nucleares no contexto da guerra em curso contra a Ucrânia é inadmissível.

Segundo a agência de notícias espanhola Efe, entre os países que não assinaram o comunicado estão os membros do BRICS (bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), sendo que Rússia e China sequer enviaram representantes. Também não assinaram o documento Arménia, Bahrein, Indonésia, Líbia, Arábia Saudita, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e México.

Cessar-fogo não aceito

Na sexta-feira (14), o presidente russo, Vladimir Putin, prometeu estabelecer imediatamente um cessar-fogo na Ucrânia e iniciar negociações se o país começasse a retirar as tropas das quatro regiões anexadas por Moscou, em 2022: Donetsk, Luhansk, Kherson e Zaporíjia. Putin ainda exigiu que a Ucrânia renunciasse aos planos de adesão à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Desde fevereiro de 2022, a Ucrânia resiste à invasão russa com o objetivo de manter sua integridade territorial e exige a saída de todas as tropas russas do território. Kiev (capital da Ucrânia) mantém a pretensão de aderir à aliança militar do Atlântico Norte.

As condições impostas pelo mandatário russo para um possível acordo de paz foram rejeitadas de imediato pela Ucrânia, pelos Estados Unidos e pela Otan, após dois anos e quatro meses do início do conflito, com a invasão da Ucrânia pela Rússia.

*Com informações da Agência Lusa.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Policial militar é morto a tiros pelo próprio irmão; veja o vídeo

Publicado

em

Câmeras de segurança registraram briga entre os irmãos e o momento dos disparos; vítima era policial militar e comemorava o aniversário em família

Ainda segundo o delegado Costa, testemunhas e familiares estão sendo ouvidos para seguimento das investigações. Segundo a autoridade, os dois irmãos também mantinham juntos a sociedade de uma pizzaria.

Um policial militar foi morto a tiros pelo próprio irmão após uma briga durante uma festa em família em Uruaçu, no norte de Goiás. O caso aconteceu na última quinta-feira (11) e câmeras de segurança da residência do PM registraram o momento do assassinato.

Segundo o delegado Sandro Leal Costa, que está à frente das investigações do caso, a família comemorava o aniversário do policial militar Tiago White. Durante a festa, Tiago teria se aproximado do irmão e o aconselhado sobre o relacionamento dele com a companheira.

O irmão, então, não teria aceitado os conselhos e mencionado que o agente teria outras mulheres e famílias fora do casamento. A alegação teria gerado a revolta do agente policial que passou a agredir o irmão.

A briga

Imagens das câmeras de segurança da casa do PM, que circulam pelas redes sociais, registraram o momento da briga. Conforme as imagens, é possível acompanhar quando o policial, de camiseta branca, começa a agredir o irmão, de boné, em uma área externa da residência. Ambos aparentam discutir durante as agressões. No local, também há crianças e outras pessoas que assistem a tudo.

Após receber diversos golpes, o irmão cai no chão enquanto o agente prossegue com as agressões e chutes contra ele. É quando uma criança se aproxima e tenta separá-los, mas as agressões continuam por parte do agente policial.

Por outro ângulo, poucos segundos depois das agressões, é possível acompanhar quando o policial se afasta da piscina no espaço de lazer da casa, onde o irmão dele já não se encontra mais no local.

Momentos depois, o irmão reaparece novamente, vindo de dentro da residência, e vai em direção ao agente sob posse de uma arma. Ele então efetua disparos contra o irmão. A vítima cai ferida dentro da piscina.

Ao final das imagens, o agente ainda se movimenta na água. Segundo o delegado Costa, após o ocorrido, o policial sai da piscina sozinho, mas cai já inconsciente. Familiares então tentam reanimá-lo por cerca de 20 minutos. Posteriormente, o Corpo de Bombeiros é acionado.

Tiago foi encaminhado ao Hospital Estadual Centro Norte Goiano (HCN), mas não resistiu. As autoridades ainda aguardam o resultado do laudo pericial para confirmar se ele veio a óbito já na unidade hospitalar ou a caminho do hospital.

Após acionada, agentes da polícia civil compareceram ao local do crime e o autor dos disparos foi preso em flagrante. O acusado, Alexandre White Rodrigues, confessou a autoria do delito à polícia. Posteriormente, a prisão dele foi convertida em preventiva e ele passou por uma audiência de custódia.

Ainda segundo o delegado Costa, testemunhas e familiares estão sendo ouvidos para seguimento das investigações. Segundo a autoridade, os dois irmãos também mantinham juntos a sociedade de uma pizzaria.

O que diz a defesa do acusado

Em nota, o advogado Martiniano Neto, representante de Alexandre White Rodrigues, informou que a tragédia não reflete a personalidade e o comportamento comum do acusado. O advogado também afirmou que seu cliente está abalado emocionalmente, além de ferido fisicamente.

“Meu cliente está muito abalado emocionalmente pelo ocorrido e bastante ferido fisicamente. A família, apesar do ocorrido, tem o desejo de que Alexandre retorne logo ao lar, e possa começar um acompanhamento psicológico”, disse a defesa do investigado.

O caso foi registrado como Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Uruaçu.

Veja o vídeo

Comentários

Continue lendo

Brasil

Homem invade casa de pastor para pedir ajuda mas é executado a tiros

Publicado

em

Segundo informações de testemunhas, o homem estava em casa quando o local foi invadido por criminosos. Ele saiu correndo até a residência de um pastor, onde pediu ajuda, no entanto foi alcançado pelos suspeitos e executado a tiros.

A vítima foi atingida por ao menos quatro disparos de arma de fogo. Foto cedida

Um homem, identificado apenas como Danilo, foi executado a tiros, após invadir a casa de um pastor para pedir ajuda na tarde desta terça-feira (16), na rua Cavaquinho, na comunidade Santa Martha, bairro Colônia Terra Nova, zona norte de Manaus.

Segundo informações de testemunhas, o homem estava em casa quando o local foi invadido por criminosos. Ele saiu correndo até a residência de um pastor, onde pediu ajuda, no entanto foi alcançado pelos suspeitos e executado a tiros.

A vítima foi atingida por ao menos quatro disparos de arma de fogo. Não há informações sobre a motivação do crime.

O caso deve ser investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). O Instituto Médico Legal (IML), foi acionado para fazer a remoção do corpo.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Incêndios florestais no Governo Lula: O pior cenário em anos e o silêncio dos artistas que antes reclamavam

Publicado

em

Nos primeiros seis meses de 2024, o Brasil enfrentou um cenário devastador no que diz respeito aos incêndios florestais. Com um total de 4,48 milhões de hectares consumidos pelas chamas, o governo Lula registra um dos piores períodos de queimadas na história recente do país. Este número impressionante equivale a queimar uma área equivalente à cidade do Rio de Janeiro a cada 4,9 dias, segundo dados do levantamento Monitor do Fogo, do MapBiomas.

Aumento Drástico das Queimadas

O aumento de 529% nas queimadas em comparação com anos anteriores expõe a gravidade da situação sob a atual administração. A Amazônia foi o bioma mais afetado, com 2,97 milhões de hectares queimados, representando 66% de toda a área consumida no Brasil. Em seguida, o Cerrado registrou 947 mil hectares destruídos pelo fogo, um aumento de 48% em relação ao mesmo período do ano passado.

No Pantanal, a situação é igualmente alarmante. Em apenas seis meses, 468 mil hectares foram devastados, com 79% dessa área queimada somente em junho. O bioma ainda enfrenta uma seca histórica, a mais severa em 70 anos, segundo a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o que agrava ainda mais o risco de incêndios.

O Silêncio dos Autores e Compositores

Enquanto o país arde, chama atenção o silêncio de figuras públicas que, em outros tempos, se mostravam vocalmente críticas a questões ambientais. Autores e compositores, que frequentemente utilizam sua arte para abordar problemas sociais e ecológicos, parecem ausentes no debate sobre as queimadas que assolam o Brasil sob o governo Lula. Essa omissão contrasta com períodos anteriores, onde a classe artística se manifestou fortemente contra a destruição ambiental.

Falta de Ações Eficazes

Eduardo Rosa, coordenador da equipe Pantanal do MapBiomas, enfatiza a necessidade de estratégias mais robustas e integradas para prevenir e combater o fogo. Entre as ações sugeridas estão o manejo integrado do fogo, queimadas controladas, aceiros, monitoramento e detecção precoce, educação ambiental, sensibilização social e capacitação de brigadas. No entanto, a implementação dessas medidas parece insuficiente frente à magnitude do problema atual.

Outras Regiões Atingidas

Além dos biomas mencionados, a Mata Atlântica, a Caatinga e o Pampa também enfrentaram incêndios significativos. A Mata Atlântica teve 73 mil hectares queimados, enquanto o Pampa registrou 1.145 hectares, o menor valor dos últimos seis anos. Na Caatinga, a situação é ainda mais preocupante, com um aumento considerável de queimadas, totalizando 16.229 hectares.

Comentários

Continue lendo