fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Brasil chega a 207,7 milhões de habitantes, diz IBGE; confira os estados mais populosos

Publicado

em

Brasil chega a 207,7 milhões de habitantes, diz IBGE; confira os estados mais populosos

Por Agência Estado

Censo 2022 está atrasado, mas instituto federal divulgou estimativa de população com base nas informações coletadas até agora

O Brasil tem 207.750.291 habitantes, mostra uma estimativa da população calculada já com dados prévios do Censo 2022, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os dados foram entregues ao Tribunal de Contas da União (TCU) nesta quarta-feira (28).

Conforme as estimavas com base na prévia do Censo 2022, a região Sudeste se manteve como a mais populosa do país, com 87.348.223 habitantes. Em São Paulo vivem 46.024.937 pessoas. Em Minas Gerais, o segundo estado mais populoso, vivem 20.732.660. No Rio, são 16.615.526 habitantes.

A região Nordeste tem 55.389.382 habitantes, segundo a estimava com base na prévia do Censo 2022. Na região Sul vivem 30.685.598, enquanto a região Norte tem 17.834.762 habitantes, e a Centro-Oeste, 16.492.326.

As estimativas da população por município são entregues pelo IBGE ao TCU todos os anos. A informação é utilizada para o cálculo da repartição do Fundo Nacional de Participação dos Municípios (FPM), que repassa recursos federais às prefeituras, e para determinar a quantidade de vereadores e de deputados federais e estaduais em todo o país. Após a entrega ao TCU, as informações serão publicadas no Diário Oficial da União (DOU).

Normalmente, as estimativas são calculadas com base no Censo mais recente, utilizando modelos de crescimento populacional. Pelo calendário tradicional do IBGE, a mais completa pesquisa populacional do país é realizada a cada dez anos, mas o Censo 2020 foi adiado por causa da pandemia. Após sucessivos adiamentos e problemas orçamentários, a pesquisa foi finalmente confirmada para este ano.

Desde o início do processo, o IBGE vinha informando que haveria tempo hábil de usar os dados do Censo 2022 para informar o tamanho da população atualizado ao TCU no fim do ano. Só que os atrasos se espalharam também para o período de coleta das informações, ou seja, o trabalho de visitar cada domicílio do país.

Com os atrasos, o IBGE agora estima que terá as primeiras informações completas do Censo 2022 apenas em março próximo, disse o diretor de Pesquisa do IBGE, Cimar Azeredo — os recenseadores ainda estão em campo, coletando as informações.

Diante dos atrasos, o IBGE decidiu calcular a estimativa anual da população para o TCU, com base em informações preliminares já coletadas pelo Censo 2022. A data de corte foi 25 de dezembro último.

Segundo Azeredo, a estimativa foi calculada com dados de municípios já recenseados completamente e com imputações e estimativas estatísticas para as cidades onde a coleta está atrasada. Até a terça-feira (27), o Censo 2022 contou 178,642 milhões de brasileiros em todo o país, ou 83,8% da população total estimada.

Na terça-feira, Azeredo reconheceu que a coleta das informações do Censo, iniciada em 1º de agosto passado, deverá se estender até pelo menos fevereiro próximo, quando o instituto espera cumprir a etapa de verificação de informações coletadas, revisita a domicílios com moradores ausentes e a lares onde houve recusa de moradores, ou endereços que foram relatados pelos recenseadores como não ocupados.

Conforme o IBGE, mais de 4.000 municípios já atingiram cerca de 99% da população estimada como recenseada. A coleta está mais atrasada, aquém dos 80%, em apenas 111 cidades, predominantemente de grande porte, como São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, contou.

Até a terça-feira, os recenseadores já tinham visitado 87,786 milhões de domicílios. O recenseamento está mais avançado no Piauí, onde 96,8% da população estimada já foi recenseada, seguido por Santa Catarina (92,7%), Paraíba (92,2%), Sergipe (92,0%), Rio Grande do Norte (90,4%) e Alagoas (90,1%). Os estados com a coleta mais atrasada são Amapá (73,3%), Mato Grosso (74,8%), Espírito Santo (75,8%) e São Paulo (76,1%).

Desde o início dos sucessivos atrasos no prazo para coletar as informações do Censo 2022, o IBGE vem citando como principal motivo para o problema a falta de recenseadores.

Para os diretores do órgão, o mercado de trabalho aquecido tem diminuído o interesse de trabalhadores em potencial no emprego temporário de pesquisador — a operação do Censo exige a contratação temporária de cerca de 200 mil recenseadores, que têm a missão de visitar todos os domicílios do país.

Desde o início do trabalho de campo, têm sido registradas queixas de recenseadores sobre remunerações baixas e demora no pagamento. A dificuldade de recrutar e manter os recenseadores atuando na coleta forçou o instituto a prorrogar o trabalho, previsto inicialmente para se estender entre 1º de agosto a 31 de outubro.

O IBGE já treinou quase 200 mil recenseadores, mas nunca alcançou o patamar necessário de trabalhadores efetivamente atuando em campo para cumprir o prazo de coleta previsto.

Azeredo informou que há cerca de 50 mil recenseadores em atividade atualmente nos vários estados. Uma solução para a ausência de temporários foi deslocar trabalhadores de regiões recenseadas para outras que ainda precisavam de trabalho de campo. O instituto também firmou convênios com outros órgãos públicos para recrutar servidores como recenseadores.

O IBGE lançou ainda o Disque-Censo 137. Por meio do serviço, os moradores podem checar se alguém do domicílio já respondeu ao Censo e, caso contrário, podem agendar uma visita do recenseador à sua casa. A ligação para o número de telefone 137, disponibilizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) como um serviço de utilidade pública, é gratuita e pode ser feita de telefone fixo ou celular.

O serviço já atende municípios em todos os estados, e é disponibilizado de forma gradativa de acordo com o andamento da coleta em cada local. É possível checar no site do IBGE em quais municípios o Disque-Censo já está disponível.

Comentários

Geral

Em Xapuri, Defesa Civil não autoriza retorno para casa por conta própria

Publicado

em

Por Raimari Cardoso

Com a vazante do Rio Acre após a enchente atingir a segunda maior cota história em Xapuri, muita gente põe as mãos à obra, inicia o processo de limpeza e planeja o retorno por conta própria para as suas casas, uma medida que nem sempre é segura.

Neste domingo, 3, o prefeito Bira Vasconcelos divulgou um vídeo no qual afirma que a Defesa Civil não autoriza que as pessoas retornem nesse momento para as áreas alagadiças e pede paciência dos moradores para esperar o momento mais adequado.

“Entendemos a preocupação das pessoas com o seu patrimônio, mas acima desse patrimônio tem a vida. Então, se você está na casa de parentes, não se avexe para voltar porque você pode estar pondo em risco a sua vida e da sua família”, diz o gestor.

O prefeito acrescenta que a prefeitura, bombeiros e toda a estrutura da Defesa Civil já está trabalhando nas vistorias nas áreas que estão instáveis para que o retorno seja feito com segurança.

Veja o vídeo:


Comentários

Continue lendo

Geral

Gladson reconhece atuação de Rueda na enchente: “Me ligou lá no começo e está com a gente até agora”

Publicado

em

Fotos: Ton Lindoso/Ascom

O governador Gladson Cameli (PP-AC) recebeu, na tarde deste domingo (3) doações provenientes do gabinete do deputado federal Fábio Rueda (UNIÃO-AC). O governador estava acompanhado da vice-governadora Mailza (PP-AC); secretário de Governo e coordenador do programa Juntos pelo Acre, Alysson Bestene; deputado estadual Eduardo Ribeiro (PSD-AC) e membros do governo estadual que estão mobilizados no enfrentamento à cheia.

Durante o recebimento, Gladson aproveitou a oportunidade para, diante dos presentes na Biblioteca Pública — que funciona como ponto focal do programa nos recebimentos de donativos — elogiar a atuação do deputado Rueda que, além de usar a sua estrutura de gabinete para mobilizar recursos céleres e visita de ministros ao Acre, também se preocupou em estar presente nos locais afetados e ajudar com doação de itens essenciais, como água e cestas básicas.

“Deputado, lhe agradeço. Estamos juntos. Gente, o Rueda me ligou lá no começo da alagação e está com a gente até agora. União é a palavra do momento, e sua atitude, deputado, mostra o compromisso com nosso Estado. Isso não é política, é humanidade! Lhe agradeço”, disse Gladson Cameli no momento do recebimento das doações.

Rueda parabenizou o trabalho feito pelo poder executivo — tanto União quanto Estado e prefeituras — e se colocou à disposição para continuar unindo forças para enfrentar esse problema. “Conte conosco para que, juntos, a gente continue lutando em Brasília por recursos céleres, presença de qualidade da União e apoio total nesse enfrentamento. Estamos irmanados e vamos vencer essa juntos”.

Ministros no Acre

Rueda foi um dos deputados que solicitou a vinda ministerial ao Acre. Quando esteve em Jordão, Rueda entrou em contato com Waldez Góes (Integração e Desenvolvimento Regional) para destravar recursos e, no dia seguinte, reuniu em Brasília com o ministro, junto da bancada federal acreana.

Na volta ao território acreano, continuou conversando e sensibilizando o governo federal da situação, ao mesmo tempo em que se preocupou em ajudar e estar presente nas regiões afetadas. Foi Rueda que anunciou, no sábado (2), o adiantamento da vinda de Waldez e da ministra Marina Silva (Meio Ambiente e Mudança do Clima). O fato foi destaque na imprensa local.

Os ministros chegam ao Acre na segunda-feira (4) e devem visitar o município de Brasiléia, região de fronteira.

Agendas

No sábado (2), Rueda conheceu o programa Juntos pelo Acre. Apresentado pelo secretário de Governo Alysson Bestene — que também é coordenador do programa Juntos pelo Acre — Rueda conheceu toda estrutura do programa.

Em seguida, o deputado conheceu o trabalho realizado pelo Corpo de Bombeiros do Estado do Acre (CBMAC). Fizeram as honras o comandante-geral Charles Santos e o coordenador-geral da Defesa Civil estadual, Carlos Batista. O CBMAC é uma das instituições linha de frente no enfrentamento à enchente. Além de colocar o mandato à disposição, Rueda também conheceu demais projetos, indicadores da corporação e quer estreitar os laços, para fortalecer ainda mais todas as instituições que cuidam dos acreanos.

Juntaram-se à agenda proposta pelo gabinete de Rueda o deputado federal Ulysses e o senador Alan Rick, ambos do União Brasil.

No domingo (3), o gabinete do deputado esteve com a presidente do Tribunal de Justiça do Acre, Regina Ferrari; a coordenadora das Mulheres, Eva Evangelista; o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, secretários municipais e o deputado licenciado Eduardo Velloso (UNIÃO-AC) para alinhar, entre esses três poderes, medidas para cuidar das pessoas instaladas no Parque de Exposições.

A tarde, os trabalhos aconteceram na Biblioteca Pública, sob o comando do governador Gladson Cameli — onde Rueda oficializou a entrega dos donativos.

Mais município afetado

O governador Gladson Cameli declarou situação de emergência em mais duas cidades do Acre. O decreto nº 11.421 abrange também as cidades de Manoel Urbano e Rodrigues Alves. O número sobe para 19 das 22 cidades acreanas.

Agora, as cidades que estão em situação de emergência são: Assis Brasil, Brasileia, Capixaba, Cruzeiro do Sul, Epitaciolândia, Feijó, Jordão, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Plácido de Castro, Porto Acre, Porto Walter, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira, Tarauacá, Xapuri, Manoel Urbano e Rodrigues Alves.

O decreto vale por 180 dias.

Comentários

Continue lendo

Geral

Em Sena Madureira, duas escolas estaduais tem aulas suspensas devido a enchente do Rio Iaco

Publicado

em

Enchente do Rio Iaco causa suspensão das aulas em Sena Madureira/Foto: Reprodução

Na quadra da Escola de Ensino Médio Dom Júlio Mattioli há famílias abrigadas, entretanto, as aulas continuam normalmente

De acordo com a professora Irlane Diniz, coordenadora do Núcleo da SEE em Sena Madureira, a partir desta segunda-feira (4) duas escolas terão suas atividades suspensas, são elas: Raimundo Magalhães, situada no Segundo Distrito, e Fontenele de Castro, que fica na Rua Padre Egídio. “Estamos fazendo a avaliação diariamente para decidirmos sobre as demais escolas”, destacou.

Na quadra da Escola de Ensino Médio Dom Júlio Mattioli há famílias abrigadas, entretanto, as aulas continuam normalmente. No que se refere às escolas gerenciadas pela Prefeitura, as aulas estão suspensas temporariamente em todas as unidades de ensino, englobando as creches.

Neste domingo (3) o nível das águas do rio Iaco atingiu 16,46 centímetros, excedendo em 1,26 metros a cota de transbordamento.

Comentários

Continue lendo






Em alta