fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Bolsonaro é o primeiro a votar, na Zona Oeste do RJ; veja declaração

Publicado

em

O candidato à reeleição à presidência da República, Jair Bolsonaro (PL), chegou para votar na Vila Militar, Zona Oeste do Rio, pouco antes das 8h deste domingo (30).

Ao entrar na seção eleitoral, o presidente cumprimentou os mesários e deixou o local rapidamente.

“Expectativa de vitória, pelo bem do Brasil. Só tivemos boas notícias nos últimos dias. Se Deus quiser, seremos vitoriosos hoje à tarde. Ou melhor, o Brasil será vitorioso hoje à tarde”, disse ele aos jornalistas do lado de fora.

Neste segundo turno, mais de 156 milhões de eleitores brasileiros aptos a votar em todo o país e no exterior devem retornar às urnas.

Comentários

Continue lendo

Geral

Relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos traz visão otimista do plantio de soja no Brasil

Publicado

em

Por

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou seu novo relatório semanal de acompanhamento de safras, e os números do plantio de soja no Brasil trazem ótimas notícias: a área semeada com a oleaginosa superou as expectativas do mercado, alcançando 68%, contra os 66% previstos e os 52% da semana anterior. A média dos últimos cinco anos para este período é de 63%.

Ainda mais expressivo, 39% dos campos já emergiram, um avanço significativo em relação aos 26% da semana passada e superior à média de 36% para o mesmo período dos últimos cinco anos.

Apesar da ligeira queda em relação ao ano passado (10 pontos), a situação não preocupa os especialistas, pois a janela de plantio da soja se estende até o dia 20 de junho, proporcionando tempo suficiente para a recuperação da área plantada. Além disso, o risco de redução da área de soja é considerado muito baixo.

Os dados positivos do USDA reforçam o otimismo para uma safra recorde de soja no Brasil em 2024. As condições climáticas favoráveis e o investimento em tecnologia e práticas agrícolas aprimoradas contribuem para esse cenário promissor.

O avanço do plantio de soja é uniforme em todas as regiões do país. No Centro-Oeste, principal região produtora, a área plantada já alcançou 73%, enquanto no Sul a taxa é de 64% e no Nordeste 60%.

A perspectiva de uma safra recorde de soja no Brasil deve pressionar os preços da commodity no mercado internacional, beneficiando os exportadores brasileiros. O aumento da oferta também pode levar à queda dos preços domésticos, favorecendo o consumidor final.

O setor de soja no Brasil se destaca pela constante busca por modernização e eficiência. Os produtores investem em tecnologia de ponta, como o uso de drones e máquinas agrícolas automatizadas, para otimizar o manejo das lavouras e aumentar a produtividade.

A infraestrutura logística também está em constante aprimoramento, com a construção de novos portos e rodovias para facilitar o escoamento da produção para o mercado interno e externo.

Com um cenário positivo para a safra de 2024 e perspectivas otimistas para os próximos anos, a soja se consolida como um dos principais pilares da economia brasileira, gerando renda, emprego e contribuindo para o desenvolvimento do país.

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Depois da soja, agora a mosca branca ataca lavouras de feijão

Publicado

em

Por

A mosca branca se tornou uma séria ameaça à produção de feijão em diversos estados brasileiros, afetando tanto a segunda safra, em fase final de desenvolvimento e colheita, quanto a terceira safra, que está sendo semeada neste momento.

O presidente do Ibrafe (Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses), Marcelo Luders, alerta que a pressão da praga está bem acima do registrado nos últimos três anos, inclusive em regiões que antes não costumavam enfrentar esse problema. “O Sul e o Sudeste do Paraná, além do Norte do estado, registraram casos, assim como a região de Guaíra em São Paulo e Minas Gerais”, relata.

No Paraná, com 86% da safra de feijão já colhida, o Deral (Departamento de Economia Rural) estima que áreas significativas sofreram com condições climáticas adversas e alta pressão da mosca branca, resultando em perdas de produtividade.

“Os municípios mais quentes foram os mais afetados, mas produzem menos feijão. O impacto na produção total ainda não é preciso, pois a colheita está em andamento e a cultura é mais difícil de monitorar”, explica Carlos Hugo Godinho, Engenheiro Agrônomo do Deral.

Luders corrobora a dificuldade de mensurar os impactos. “Não sabemos o quanto foi perdido no total colhido. Algumas lavouras foram erradicadas e replantadas, outras não. Mas com certeza haverá impacto.”

Em Goiás, a mosca branca também está presente nas lavouras já plantadas da terceira safra e retardando o plantio em outras áreas. “A terceira safra é a nossa maior produção de feijão, com plantio entre maio e junho. Muitos produtores esperam as temperaturas baixarem para plantar com menos incidência da praga, mas ainda há tempo para semear os 60 mil hectares previstos”, pontua Leonardo Machado, Assessor Técnico da Faeg (Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás).

Machado explica que a estratégia de esperar o frio se deve ao aumento da pressão da mosca branca em cenários de temperaturas elevadas e poucas chuvas. O Deral confirma que esse quadro climático contribuiu para o aumento da praga no Paraná. “O calor e a falta de chuvas nessas regiões ajudaram a manter a pressão da praga”, diz Godinho.

Luders complementa: “Alta temperatura e tempo seco favorecem a praga. Sem noites frias, a intensidade aumenta.”

Outro fator que pode ter contribuído para o problema foi o alongamento do ciclo da soja na safra 2023/24 em algumas regiões, como Goiás. “O atraso da colheita da soja formou uma ponte verde que manteve a praga presente nas lavouras. As regiões com atraso na soja são justamente as que registram maior incidência da mosca branca no feijão. O vazio sanitário foi alterado para ser mais efetivo, mas as moscas migram de uma cultura para a outra”, aponta Machado.

A situação também tem impactado os custos de produção, pois os agricultores precisam aumentar o uso de defensivos. “O controle químico é a única opção no momento e o custo fica maior. Os defensivos são o segundo maior item na relação de custos, atrás apenas dos fertilizantes”, indica Machado.

Godinho, do Deral, complementa: “A cultura exige bom controle de defensivos. Os preços do feijão estão bons, o que levou a um aumento de 40% no plantio paranaense. A produção ainda deve ser volumosa, mas a perda de qualidade nos grãos implica em descontos na entrega e compromete a rentabilidade.”

Luders, do Ibrafe, elenca medidas para as próximas safras: “Algumas variedades têm se mostrado mais tolerantes à mosca branca. O uso de defensivos adequados, inclusive novas moléculas com bom desempenho no controle, é importante. O manejo adequado e a eliminação do vetor também são cruciais, pois a praga migra de uma lavoura para a outra.”

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Entidades mato-grossenses discutem o impacto das moratórias da soja e da carne

Publicado

em

Por

O Seminário “O impacto das moratórias da soja e da carne nas desigualdades regionais”, realizado em Cuiabá, nesta semana, discutiu o  impacto das moratórias da soja e da carne nas desigualdades regionais, destacando as preocupações dos produtores sobre as possíveis consequências econômicas e na renda dos agricultores e pecuaristas.

“O impacto destas restrições comerciais na economia local e na renda dos produtores rurais é uma preocupação significativa. É essencial garantir que os produtores tenham acesso justo aos mercados, sem barreiras que comprometam sua subsistência”, afirmou Vilmondes Tomain, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), entidade que, junto com o Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE) e a Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja-MT), organizou o evento.

Tomain ressaltou ainda que os produtores de Mato Grosso têm adotado práticas agrícolas sustentáveis, o que torna as moratórias injustas e desproporcionais. O presidente do TCE, conselheiro Sérgio Ricardo de Almeida, também expressou sua preocupação.

“Considero esta medida extremamente prejudicial para os agricultores e para a economia de Mato Grosso. A agricultura é fundamental para nossa economia, e os produtores rurais são essenciais para o fornecimento de alimentos, geração de empregos e renda. Qualquer restrição à produção e comercialização da soja terá um impacto devastador”, declarou.

O evento reforçou o compromisso das entidades do agronegócio mato-grossense, lideranças do setor e representantes do Poder Executivo e Legislativo em buscar soluções colaborativas e sustentáveis. O diálogo e o consenso foram destacados como ferramentas essenciais para fortalecer o agronegócio e promover o desenvolvimento regional de maneira inclusiva e justa.

AUDITORIA – Durante o seminário o presidente do TCE-MT anunciou que o tribunal vai auditar os incentivos fiscais destinados às empresas que atuam no estado. A auditoria, que envolverá as empresas signatárias das moratórias, responde a um pedido protocolado junto ao Tribunal por 127 Câmaras Municipais, que apontam que os acordos prejudicam o desenvolvimento dos municípios. Isso porque, impediriam a circulação de bilhões de reais na economia mato-grossense, aprofundando as desigualdades regionais, uma das principais bandeiras da gestão de Sérgio Ricardo.

“A lei diz que a empresa que recebe incentivo precisa devolver desenvolvimento e geração de emprego. Neste ano, foram destinados mais R$ 14 bilhões em incentivos pelo estado, então queremos saber o que as empresas incentivadas estão devolvendo para o cidadão de Mato Grosso”, pontuou o presidente ao explicar que municípios podem estar perdendo investimento e melhoria do bem-estar da população.

Com informações do Portal Mato Grosso e assessorias

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo