Por Congresso Em Foco sobre Mato Grosso

Índios chiquitanos da comunidade de San José de la Frontera, na Bolívia, acusam a polícia brasileira de matar quatro caçadores da aldeia perto da fronteira com o Brasil. Os homens teriam sido confundidos com traficantes. O caso ocorreu na terça-feira, dia 11 de agosto. Nesta quarta-feira (2) o Conselho Indigenista Missionário (CIMI) enviou uma equipe na região para apurar os fatos.

As vítimas são Arcindo Sumbre García, Paulo Pedraza Chore, Yonas Pedraza Tosube e Esequiel Pedraza Tosube, de 18 anos. Moradores da aldeia relatam que dias depois do episódio, uma viatura com quatro policiais do Grupo Especial de Fronteira (Gefron), núcleo da polícia do Mato Grosso que faz a segurança da região, foi até a comunidade para intimidar os aldeões.

“Eu peço justiça porque ele saiu para caçar e nunca mais voltou. Quero que me ajudem com meu filho de oito anos, porque quem vai me dar comida ou o material para quando começarem as aulas?”, lamentou Cristiane Martíne Ramos, viúva de Paulo Pedraza Chore, num vídeo divulgado pelo site boliviano Pantanal de Comunicacion. Eles vivem sem água e luz.

Familiares afirmam que as vítimas são inocentes e que costumavam sair para caçar na região. A irmã de Yones Pedraza conta que o rapaz levou quatro tiros e foi encontrado com uma orelha cortada e o rosto machucado. “[Os policiais] passam por aqui sem autorização. Nos tratam como animais”, afirmou no mesmo vídeo.

O povo chiquitano vive na área desde antes que fosse traçada a fronteira entre Brasil e Bolívia e a comunidade indígena se estende sobre o território dos dois países. “As informações que chegaram até nós são muito fragmentadas. Precisamos de mais elementos, mas o fato é que esses homens foram assassinados”, afirma Gilberto Viera dos Santos, membro do CIMI do MT.

Parentes dizem que os assassinatos aconteceram em território boliviano e que os corpos foram levados até o hospital de Cáceres, no Mato Grosso. Eles apresentaram denúncia na delegacia de San Matías, município ao qual pertence a comunidade.

O subtentente da polícia boliviana Cristhian Ayala Miranda, que conduziu as investigações, afirmou ao Congresso em Foco que o inquérito apontou que o episódio ocorreu em território brasileiro e que, por isso, já pediu ao Ministério Público boliviano que arquive a denúncia.

Questionada pela reportagem, a Secretaria de Segurança Pública do Mato Grosso informou que desconhece a ocorrência e que “não recebeu qualquer formalização por parte das autoridades do país vizinho sobre este caso, ou qualquer outro”. O governo boliviano afirmou que vai averiguar o caso.

No mesmo dia da morte dos índios, o Gefron realizou uma operação contra o tráfico de droga na altura da BR-070, que liga Cuiabá (MT) a San Matías, na Bolívia. Os policiais realizavam patrulhamento em uma área rural quando se depararam com vários homens armados com três revólveres e uma pistola. Eles teriam desobedecido à ordem e atirado contra os policiais. A ação foi por volta das 15h40.

Quatro pessoas morreram e outras nove foram vistas indo em direção à Bolívia, carregando nos ombros sacos utilizados por mulas para transporte de drogas. A polícia afirma que socorreu os homens que foram transportados ao Hospital Regional de Cáceres, mas que nenhum deles resistiu aos ferimentos. Além das armas, a polícia apreendeu 25 munições de vários calibres. Não há relato de apreensão de drogas na nota do órgão.

MP boliviano investiga Gefron por outro assassinato

O Gefron é suspeito de matar a tiros o boliviano Vicente Tapeosi Masai, no dia 1º de julho, às 19h, no município de San Ignácio de Velasco. O caso está sendo investigado pelo procurador Roger Mariaca, do Ministério Público da cidade de Santa Cruz.

De acordo com a assessoria do MP, o Ministério das Relações Exteriores da Bolívia enviou uma solicitação ao governo brasileiro pedindo os nomes dos policiais do Gefron em serviço no dia da ocorrência. Na noite desta quarta, o Itamaraty respondeu que o tema é de competência do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Segundo o MP, Masai foi morto por um tiro disparado por “pessoas que se encontravam em veículos do Gefron”, especificamente duas caminhonetes brancas, sem placas, com homens a bordo carregando armas de grosso calibre. Masai seguiu de moto as viaturas, foi atingido por um tiro e morreu. Os carros fugiram em direção à comunidade de Serrito, a 20 km do local.

Chiquitanos denunciaram abusos na ONU

No ano passado, Saturnina Urupe Chue, indígena Chiquitano, do Mato Grosso, denunciou os abusos contra seu povo na 42ª sessão da Comissão de Direitos Humanos da Nações Unidas, em Genebra, Suíça. “Hoje somos ameaçados abertamente pelo presidente da República”, que “coloca em risco nossas vidas e a vida do nosso planeta”, afirmou na época, fazendo referência aos constantes ataques verbais do presidente contra os povos indígenas.

Segundo os chiquitanos, o território onde vivem aguarda há décadas a demarcação “Meu povo tem sido atacado e violentado gravemente. O governo do Brasil insiste em não reconhecer nossos direitos constitucionais sobre nossas terras. Muitos Chiquitanos já estão deslocados do território. São obrigados a viver fora, nas cidades não indígenas e abaixo de extrema vulnerabilidade”, completou Saturnina.

Comentários