Com jornais de RO

Policiais da Delegacia de Homicídios de Porto Velho identificaram a participação de 28 pessoas na morte e decapitação do jovem Rubem Arial Silva Souza, 18 anos, ocorrido na madrugada do dia 23 de junho deste ano, no residencial Morar Melhor, na Capital.

A delegada Leisaloma Carvalho deu detalhes das investigações que resultaram na deflagração da Operação Louva-a-Deus, durante uma coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (4).

Em entrevista ao RONDONIAGORA, a delegada adjunta da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Vida (Deccv) de Porto Velho, Leisaloma Carvalho

A Polícia apurou que Rubem não tinha nenhuma passagem pela Polícia. “Não temos comprovação de que ele pertencia a alguma facção criminosa”, esclareceu à delegada.

As investigações avançaram, a Polícia identificou outros envolvidos na morte da vítima, a delegada representou pela prisão e a justiça autorizou. Nesta manhã, 14 criminosos foram presos preventivamente e um menor foi apreendido. Também ocorreram cumprimentos de prisões dentro de presídios.

Durante o cumprimento dos mandados de prisão, os investigadores apreenderam arma de fogo, munições e drogas.

Segundo a delegada, o criminoso que apareceu no vídeo segurando a cabeça da vítima após ser degolada, já está preso.

A delegada destacou que os presos na primeira fase da operação, que investiga a morte do jovem, já foram denunciados pelo Ministério Público e está tramitando a ação penal contra os envolvidos. “Nós vamos continuar combatendo a criminalidade naquele local e em todos os lugares da cidade. Esse tipo de crime que aconteceu com o jovem não pode se repetir e nós não vamos permitir que isso ocorra na capital”, disse Leisaloma Carvalho.

De acordo com a Polícia, durante as investigações, um advogado foi indiciado pela Polícia. Ele estava atuando no meio da organização criminosa fazendo a ligação entre os mandantes da morte do menor e os criminosos que atuaram fora do presídio.

Agora, a Polícia trabalha para localizar e prender os foragidos Izabel dos Santos da Silva, Letícia de Souza Nunes, Lidiane Ferreira da Silva, Caio da Silva Miranda e Nilton Souza da Silva.

Vídeo gravado durante as investigacões O crime bárbaro foi registrado no condomínio Morar Melhor, zona Sul de Porto Velho (RO).

De acordo com informações obtidas pelas equipes da Polícia, um grupo de membros de uma facção estariam executando jovem nos fundos do residencial Morar Melhor e logo se deslocaram para o local onde localizaram o corpo do jovem decapitado e próximo estava a cabeça com várias perfurações de faca e os braços amarrados com cadarço.

Veja vídeo gravado durante as investigações 

Comentários