Na terça-feira (27), passada a presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Acre, desembargadora Regina Longuini, convocou acadêmicos, representações partidárias, advogados e o público interessado para um alerta: “as eleições deste ano serão uma das mais complicadas dos últimos anos”, disse.

Não se trata de nada novo. O alerta feito pela desembargadora refere-se a grupos de ativistas, treinados, inteligentes e equipados até os dentes dispostos a travar uma guerra digital na corrida ao Palácio Rio Branco. Nessa briga, Marcus Viana e Gladson Cameli, polarizados nas intenções de votos, já sentem na pele o tipo moderno de ataque pelas redes sociais.

Afirmando ser alvo constante de ataques e acusações em redes sociais, em blogs anônimos e postagens falsas, Marcus Viana, do PT, foi o primeiro pré-candidato ao governo a protocolar na Justiça Federal documento onde alertou e pediu providências das instituições sobre as “fake news”, na primeira quinzena de março. A medida visava frear uma suposta desistência de pré-candidatura.

No mesmo período, o pré-candidato ao governo pela oposição, Gladson Cameli (Progressistas), precisou gravar um vídeo para desmentir boatos de que o mesmo estaria na Europa, junto com a esposa, no momento em que famílias acreanas eram desabrigadas, vítimas de inundações provocadas por fortes chuvas em Rio Branco.

O que essas notícias têm em comum? Todas são falsas e foram tidas como verdadeiras por milhares de pessoas.

Para o leitor do ac24horas ter ideia da dimensão que o tema vem tomando, no momento da leitura desse lead, milhões de informações estão sendo processadas em uma velocidade sem precedentes através de tags de RFID, sensores, celulares e contadores inteligentes. Ao mesmo tempo em que muita gente se informa – o brasileiro é apaixonado por redes sociais – outros estão ganhando milhões de reais com notícias que podem ser verdadeiras ou falsas. Um cenário perfeito para eleições acirradas, como as que acontecem no Acre nos últimos anos.

Entre as sete categorias de Fake News, a manipulação de conteúdos e conteúdo fabricado são as mais perigosas. No Acre, vários sites são criados às vésperas das eleições com conteúdo duvidoso e direcionado a um segmento eleitoral.

Há quem ganhe milhões de reais apenas com aquele click que você dar na arte com visual enganador. “Quando te oferecem algo gratuito, você é o produto”, disse Bran Acton ao se referir ao excesso de generosidade em torno do Facebook, a plataforma com ares de nona maravilha do mundo que mantém 2,3 bilhões de pessoas conectadas.

Novas e poderosas ferramentas automatizam tarefas para públicos específicos

A cada dia surgem novas e poderosas ferramentas capazes de automatizar tarefas e selecionar públicos específicos. Essa foi a direção dada na palestra de Alexandre Basílio Coura, analista judiciário do TRE-RS, professor de propaganda eleitoral com ênfase na internet no auditório da Faculdade da Amazônia Ocidental, em Rio Branco.

Basílio fez questão de frisar que a produção de notícias falsas ou distorcidas fazem parte de uma estratégia de manipulação da informação para atingir o eleitorado de um determinado posicionamento ideológico. São produzidas na maioria das vezes por militantes que querem fortalecer o seu candidato ou por contratados pagos para realizar esse tipo de “serviço”.

Não é de hoje que o atual governo do Acre é acusado de manter em sua folha de pagamento um exército de cargos comissionados com a tarefa de espionagem das redes sociais. Figuras que supostamente criam perfis falsos, simulando posicionamentos políticos e propagando ideias, matéria nunca investigada pelos órgãos de controle.

Segundo Basílio, existem empresas que usam tecnologias com emprego de robôs para o impulsionamento de mensagens nas redes sociais. São os chamados bots. Como o brasileiro é apaixonado por rede social, costuma não checar a veracidade de um fato e ainda, alguns que apenas leem o título, uma ou duas linhas, esse é o cenário perfeito para a manipulação de informações.

“Os bots têm capacidade de automatizar tarefas para públicos específicos, como por exemplo, jovens até 25 anos. Esta faixa etária, 65% utiliza as redes sociais”, chama atenção o especialista em propaganda na internet.

O novo formato de propaganda digital permite, por exemplo, que um candidato que defende a legalização da maconha – um dos temas polêmicos da atualidade – se comunique para esse grupo específico que não aparece na timeline da página que gerou esse conteúdo.

Isto é, um candidato pode dizer que defende a legalização da maconha para pessoas que concordam com essa ideia e falar exatamente o contrário para aquelas que discordam, sem que essas opiniões sejam visíveis para quem procurar na página dele informações sobre propostas.

A base para esta manipulação de público-alvo está no chamado Big-Data, que segundo Basílio, “foi extremamente utilizada pelo Trump e também nas eleições de 2014 entre Aécio e Dilma Rousseff”, alertou.

Num cenário de crise política e polarização ideológica, os extremos (direita e esquerda) estão mais acirrados e motivados ao ativismo. Para o analista Basílio, a disseminação de mentiras pode ter diversas consequências, como prejudicar a capacidade do eleitor de se informar e entender a realidade e enfraquecer o debate público.

Vazamento de áudio é a moda da pré-campanha no estado do Acre

Embora não admitam os presidentes partidários – todos pregam eleições limpas e sem baixarias – a arapongagem está em alta na pré-campanha de 2018 no estado do Acre. Pelo menos três pedidos de investigações já foram protocolados no Ministério Público Federal.

O primeiro dele, identificado como o “áudio da discórdia” vazou da rede de WhatsApp dos grupos de oposição. Na gravação, supostamente o pré-candidato a senador pelo MDB, Márcio Bittar, revela um poderoso esquema para financiamento de campanha, envolvendo a família do pré-candidato Gladson Cameli (Progressistas) e supostas negociações feitas pelo colega de aliança, o pré-candidato Sergio Petecão.

O presidente do Partido dos Trabalhadores, Daniel Zen anunciou no dia 23 de janeiro deste ano, que na condição de dirigente partidário apresentou uma representação ao Ministério Público Eleitoral, solicitando que investigue suposto crime eleitoral cometido pelo senador Sérgio Petecão (PSD) e Gladson Cameli (Progressistas).

Semana passada, após a divulgação de duas reportagens de ac24horas sobre dois áudios vazados de grupos de WhatsApp da Frente Popular do Acre (FPA) onde o vereador Jakson Ramos (PT) e duas diretoras da fábrica Natex, estariam falando em nome do deputado federal Sibá Machado (PT) revelando supostos esquemas para coação de eleitores e compra de votos nas eleições deste ano, levou a promotora eleitoral perante a 1ª Zona, Alessandra Marques, expedir ofício ao procurador regional eleitoral, Fernando José Piazenski, noticiando os fatos divulgados e pedindo providencias ao Ministério Público Federal (MPF).

Novas regras eleitorais combatem as notícias falsas

Em uma medida inédita, o TSE e a Polícia Federal vão monitorar a disseminação de conteúdo indevido durante o processo eleitoral. A medida busca identificar e punir autores de notícias falsas. No entanto, O Ministro Luiz Fux afirmou que a imprensa será a principal aliada para aferir a veracidade daquilo que está sendo noticiado.

Se comprovado o crime, a Justiça Eleitoral pode determinar, por solicitação do ofendido, a retirada de publicações que contenham agressões ou ataques a candidatos em sites de internet e nas redes sociais. Os provedores de internet terão pelo menos 24 horas para remover o conteúdo.

Comentários