Ilustração internet
Por Maria Coutinho*

Plutocracia! É assim que nossa história tem sido orquestrada ao longo de séculos. Governo dos ricos para os ricos. Testemunhamos à ganância desenfreada sepultando a esperança do povo brasileiro. Porém, mesmo recusando entender que ratos devoram sonhos, as infindáveis contravenções sofridas nos últimos tempos, me lançaram ao cansaço e a dificuldade em encontrar o chinelo certo para caminhar sobre brasas escaldantes no latifúndio Brasil. Reconheço agora a inquietação em meu coração.

Em épocas passadas meus pais me ensinaram o valor da ética nas relações humanas. Princípio básico de convivência em sociedade. Porém, contrariando a regrinha igualitária de raízes nordestinas, na verdade, me vejo agora em cenário sinistro, onde bandidos de colarinho branco assassinam inocentes.

Por acreditar que nós compatriotas não devamos aceitar o governo do jeito que está, vou somar na luta contra este ciclo tenebroso. Sei que precisamos descobrir saídas para resgatar o Brasil desse circo ruído, porém, encontrar um ponto de sustentação que edifique a ética em nosso País, parece utópico. Constatamos a Pátria amada neutralizada por malfeitores que obstruem a justiça com naturalidade e delineiam a estranha vida contemporânea. Os criminosos roubam, saqueiam, enganam, desrespeitam, massacram e debocham de trabalhadores honestos.

Nesse xadrez egocêntrico, a única certeza que tenho é o abismo profundo da perversidade suprimindo o recomeço com ética e austeridade. O DNA da bandidagem é a hipocrisia, razão pela qual manipulam, acobertam crimes e desgoverna o Brasil. A esquizofrenia política e endêmica, ameaçadora e nos tira a paz.

Como excretar a escoria nojento e reencontrar a felicidade? Como punir charlatões blindados por manobras “obscuras”, sem validar sentença delituosa? Sem resposta, continuo acuada querendo proteger nossos filhos. Enquanto a corrente do bem luta por mudanças, o mal reina e a trilha de sofrimento permanece visível e estarrecedora.

Maria Coutinho é jornalista e psicóloga

 

Comentários