Após condenado, assassino do Delegado Carioca, Elivan Verus quase é linchado por populares
Após condenado, assassino do Delegado Carioca, Elivan Verus quase é linchado por populares

Jairo Carioca – enviado especial
Xapuri (AC)

Passava das 8 horas da noite quando o Juiz Luiz Alcalde Gustavo Pinto começou a ler o relatório de sentença de Elivan Verus da Silva, réu, acusado de matar com um tiro de espingarda, o delegado Antônio Carlos (o Carioca) na noite de 14 de dezembro de 2014, no município de Xapuri (AC).

Após 9 horas de julgamento, o Conselho de Sentença entendeu que Elivan praticou crime de homicídio qualificado para garantir impunidade no caso anterior, em que matou com uma facada, sua enteada, de apenas 15 anos. Os jurados também entenderam que o réu sequestrou Maria de Fátima de Abreu Sarkis, sua ex-namorada.

unnamed-51

Na dosimetria para o crime de homicídio qualificado cometido contra o Delegado Carioca, a culpabilidade do réu foi considerada intensa e grave, de acordo com o relatório, Elivan matou um funcionário público no pleno exercício de sua função, apenas para evitar sua prisão. Os diversos processos existentes contra o assassino agravaram ainda mais a sua situação.

Familiares e amigos de Delegado protestam contra decisão e prometem recorrer
Familiares e amigos de Delegado protestam contra decisão e prometem recorrer

A frieza e a tentativa de demonstrar lapso de memória por Elivan durante sua oitiva no Tribunal do Júri também foi levado em consideração na majoração da pena. O réu disse na maior parte do tempo que não se lembrava de nada, a não ser as cervejas que tomou antes de cometer o crime, no Ramal 20, no município de Brasileia, onde comprou por R$ 300 a espingarda utilizada na noite trágica em que atirou no Delegado Carioca.

Delegado Carioca completaria 36 anos nesta quarta-feira, 1, dia do Julgamento de Elivar Verus - Foto: Alexandre Lima/Arquivo
Delegado Carioca completaria 36 anos nesta quarta-feira, 1, dia do Julgamento de Elivar Verus – Foto: Alexandre Lima/Arquivo

Pelo crime contra o Delegado, Elivan foi condenado a 22 anos de reclusão. Os antecedentes: lesão corporal cometida no dia 27 de setembro de 2012; associação para o tráfico de drogas em 27 de dezembro de 2012 e em 17 de junho de 2015, homicídio duplamente qualificado, agravou e elevou a pena em 4 anos, para 26 anos de reclusão.

Pelo crime de sequestro cometido contra a ex-namorada, Maria de Fátima, Elivan foi condenado ainda a 2 anos de reclusão, elevado em seis meses, fixado em 2 anos e 6 meses. No total, pelo assassinato do Delegado Carioca Elivan deve cumprir 28 anos e seis meses de reclusão. Somada à pena pelo assassinato da menor Janaina Nunes, ele foi condenado 66 anos e seis meses de reclusão.

O Ministério Público não vai recorrer da sentença. Elivan pediu aos seus advogados que recorressem da sentença. O advogado Carlos Vinicius registrou a vontade do réu em ata, mas se recusou a continuar patrocinando sua defesa.

O Julgamento:
O julgamento de Elivan Verus da Silva começou com uma hora e meia de atraso, por volta das 10h29 minutos de ontem (1). Duas testemunhas foram fundamentais para as conclusões dos jurados: Maria de Fátima de Abreu Sarkis, vitima de sequestro e o Policial Civil Eurico. A primeira revelou detalhes que ocorreram antes de Elivan atirar no Delegado Antônio Carlos. Já o policial Eurico, afirmou que Elivan sacou sua arma e atirou contra o Delegado que clamava para que o mesmo se entregasse à Justiça.

A tese de acusação baseou-se apenas em testemunhos e na confissão de Elivan durante seu interrogatório na Delegacia de Policia Civil. Passou mais tempo desafiando o réu, o chamando-o de “assassino”, “monstro” do que convencendo os jurados com provas mais cientificas. Nem o promotor e nem sua assistência utilizaram slides, fotos, imagens ou outro recurso que elucidasse melhor os fatos da cena do crime. Mesmo assim, acusação e defesa ainda protagonizaram momento acirrado, obrigando o presidente do Júri suspender a sessão.

Diante do comportamento do réu, que não seguiu as orientações dos próprios advogados, negando perante o Júri, a autoria dos fatos, a defesa dispensou testemunhas. Em brilhante atuação, o advogado Carlos Vinicius ainda tentou pedir a condenação do seu cliente por homicídio simples.

Revolta da população

unnamed-6

A população que não pode entrar no Tribunal do Júri, não arredou o pé de frente de um telão montado na área externa da Comarca. A saída de Elivan, após a sentença, foi tumultuada e por muito pouco, o réu não foi tomado das mãos dos policiais.

unnamed-31

No caminho da viatura policial, Elivan ainda tentou atingir um repórter que tentava lhe tirar alguma confissão. Em seguida, o réu foi atingido com um soco no rosto. O clima ficou tenso até os militares fecharem a porta da viatura.

Comentários