Andarilhos dormem ao relento e ocupam espaços públicos em Brasiléia.

Uma situação de saúde pública vem crescendo na cidade de Brasiléia, localizada na fronteira do Acre, que faz fronteira com a Bolívia, além de ser corredor de passagem com o Peru, com acesso pelo município de Assis Brasil.

Na cidade de Brasiléia, a passagem de andarilhos de várias nacionalidades, vem ocasionando um problema de saúde pública. Muitos de nacionalidade venezuelana (até famílias completas), são vistos pedindo ajuda para continuar sua viajem e outros, que praticam arte mambembe nas pontes aproveitam para esticar suas estadias na fronteira.

Para alguns que não tem como pagar hospedagem, vem ocupando espaços públicos como praças, onde levantam barracas e até dormem no chão. Para agravar a situação, estão entrando no País pelo Acre, com animais de estimação – cães, gatos e até porcos, e não se sabem se são vacinados.

Andarilhos andam pelos países com animais de estimação.

Importante lembrar que o Brasil está em alerta trabalhando para combater a entrada de doenças como Coronavirus e outras transmissíveis pela fronteira.

Para agravar a situação, moradores estão reclamando ao presenciar o consumo de drogas em pleno dia. O coreto da praça fica em frente ao fórum da cidade. O jornal oaltoacre flagrou a denuncia feita pelos munícipes.

A situação já foi comunicada ao Ministério Público, Prefeitura, Polícia Militar e Secretaria de Saúde, uma vez que é tipificado como de ‘Saúde Pública’. “Não temo nada contra a escolha dessas pessoas, mas, não temos que arcar com essa situação de ver os espaços públicos sendo tomados por dependentes químicos que ficam defecando e urinado em qualquer lugar e consumindo drogas a qualquer hora”, disse um munícipe de Brasiléia.

Em contanto com o Coamndo do 5º Batalhão da PM do Alto Acre em Brasiléia, pediram para que, caso algum cidadão presenciar cenas de consumo de entorpecente na praça, que liguem no 190 para denunciar e não precisam se identificar.

Vídeo mostra o consumo de drogas na praça em frente ao fórum de Brasiléia.

Comentários