Alexandre Lima e Almir Andrade

Foram cerca de 15 horas dentro do Fórum do município de Epitaciolândia, onde a juíza de direito titular, Doutora Joelma Ribeiro Nogueira, comandou o júri popular no julgamento do ancião Ernesto Jose da Silva, hoje com 82 anos de idade, acusado do assassinato da menina Thayne Souza Oliveira, na época, com 7 anos de vida.

O caso chocou a população no mês de setembro de 2013, quando a menina desapareceu após chegar da escola, sendo encontrada já sem vida dentro de uma fossa localizada na propriedade do ancião, na época com 78 anos, que foi ouvido e liberado em seguida.

O caso passou a ser investigado pelo delegado da época, Sergio Lopes, onde constatou através de perícia técnica, que a menina foi morta por estrangulamento e depois jogaram o corpo na fossa, como tentativa de esconder o crime.

Seu Ernesto passou a ser o principal suspeito do crime e foi detido. Passado quatro anos, seu julgamento aconteceu nesta quinta-feira, dia 27, onde durou cerca de 15 horas, terminando quase meia-noite, após o pronunciamento da Juiz Joelma.

O Júri decidiu condenar o ancião a 12 anos de reclusão, onde irá cumprir sua pena em regime aberto, entendo que o mesmo não tem antecedentes criminais e não oferece perigo à sociedade.  O advogado de defesa disse que irá recorrer da sentença, por entender não existe provas concretas contra seu cliente.

Os familiares, juntamente com a promotoria, acreditam que a Justiça foi feita, por enfim, condenar por definitivo, o principal acusado da morte de sua filha.

RELEMBRE O CASO:

Criança morre afogada em fossa após ir atrás de cachorro em Epitaciolândia

Reviravolta no caso Thayne: Segundo IML, criança foi estrangulada e jogada na fossa

Mãe de menina assassinada em Epitaciolândia pede ajuda para elucidar caso

Veja vídeo reportagem com Almir Andrade.

Comentários