O acesso à cabeceira da ponte está cedendo a cada dia que passa…

Moradores de comunidades localizadas na zona rural do município de Epitaciolândia, denunciaram um problema que vem crescendo a cada dia na BR 317, podendo deixar duas cidades isoladas, além do acesso à Estrada do Pacífico, que liga o Brasil ao Peru e Bolívia pela tríplice fronteira do Acre.

A ponte existente no km 5, sentido Epitaciolândia/Xapuri, está com sua cabeceira comprometida deixando apenas uma via para veículos, devido uma erosão no sentido fronteira e foi realizado um paliativo para evitar a continuação.

O lado direito de quem vai para a cidade de Epitaciolândia já está comprometido…

Mas, do outro lado, está acontecendo a erosão deixando uma ondulação na pista que aumenta a cada dia. Para o motorista que passam todos os dias no local, reclamam que o perigo só aumenta e fica mais perigosos para os motociclistas.

Se pode notar ainda, que rachaduras nas laterais do aterro estão aumentando a cada dia. Com período das chuvas aumentando, caso nada seja feito rapidamente, poderá acontecer um rompimento dos dois lados.

“Estamos apreensivos com está se formando aqui neste local. Poderemos ficar isolados a qualquer momento caso nada seja feito. Há tempos que a empresa parou os serviços aqui”, comentou um morador que parou para falar com a equipe de reportagem no local.

Rachaduras estão crescendo a cada dia e depressão na cabeceira estão colocando em risco os motoristas e motociclistas.

Caso aconteça o pior na ponte do km 5, Brasiléia e Epitaciolândia, juntamente com Assis Brasil, poderão ficar isolados por dias até o problema seja solucionado. Problemas como desabastecimento dos comércios, poderão elevar preços dos alimentos de forma geral.

Recentemente, após denúncia, uma das empresas que terceirizam serviço ao Dnit, restaurou uma parte da Avenida Amazonas que passa na cidade de Epitaciolândia, ficando para meados de 2020, a continuação da mesma. Em relação a ponte que liga os municípios da fronteira, nada foi falado.

Comentários