A reportagem da Agência ContilNet Notícias fez uma entrevista ping-pong com Aldemir; confira.

“Tudo aquilo que ameaçar a vitória da oposição teremos que excluir”, diz Aldemir/Foto: Agência ContilNet
“Tudo aquilo que ameaçar a vitória da oposição teremos que excluir”, diz Aldemir/Foto: Agência ContilNet

Agência ContilNet

Coordenador do Conselho Político dos Partidos de Oposição acredita que prefeitos desgastados darão a volta por cima: “Não são somente os prefeitos da oposição que enfrentam problemas”.

O Conselho Político dos Partidos de Oposição, que tem o ex-prefeito Aldemir Lopes como coordenador-geral, não está morto, como foi anunciado por alguns setores da imprensa acreana.

Pelo contrário: depois de juntar cerca de três mil pessoas no Maison Borges, no dia 28 de março, para apresentar as candidaturas de Marcio Bittar para disputar o governo, e Gladson Cameli, o Senado, o conselho deverá reunir todos os partidos da aliança para concluir o plano de governo e a programação das agendas das candidaturas majoritárias até o próximo dia 22 de abril.

“Os 11 partidos de oposição que apoiam a Aliança Por um Acre Melhor deverão apresentar suas chapas proporcionais e os nomes dos dois suplentes de senador, e de vice-governador, até o final do mês de maio”, disse Aldemir Lopes, em entrevista à ContilNet Notícias, na tarde desta terça-feira (15).

Aldemir também fala sobre as arestas que estariam acontecendo entre membros da coligação, por causa da montagem das chapas proporcionais. Ele adiantou, ainda, detalhes sobre o programa de governo e a agenda dos pré-candidatos Marcio Bittar e Gladson Cameli.

“Na realidade, o que tem que ficar bem claro é que tudo o que for importante para nós ganharmos as eleições para governador e senador, nós vamos ter que fazer. E tudo aquilo que ameaçar dificultar nossa vitória, teremos que excluir”. Leia a entrevista:

ContilNet Notícias – O que tem feito o Conselho Político que o senhor coordena, criado para unir os partidos de oposição no Acre? Acha que conseguiu o objetivo, que era unir a oposição?

Aldemir Lopes – Entendo que cumprimos a primeira etapa do nosso projeto político, que era a busca pela unidade dos partidos de oposição do Acre. Mas, ainda temos muito chão pela frente. Neste mês de abril, por exemplo, ficou definido que nossos candidatos Marcio Bittar e Gladson Cameli irão cumprir uma agenda na cidade de Rio Branco, juntamente com o senador Sérgio Petecão, os nossos deputados federais, estaduais, vereadores e outras lideranças, que estão no projeto para mudar a triste realidade em que se encontra, hoje, o nosso estado.

ContilNet – E os nomes para vice-governador e para as suplências de senador, quando serão anunciados?

Aldemir – Na terça-feira, dia 22 de abril, já estaremos convocando o conselho para trabalharmos as outras etapas do nosso projeto, entre elas as chapas proporcionais, a suplência de senador e a questão do vice.

ContilNet – O nome da deputada Antônia Sales será mesmo indicado como vice de Marcio Bittar?

Aldemir – O PMDB ainda está discutindo sobre esta questão. Mas, não tenho nenhuma dúvida de que o nome de Antônia Sales é o melhor para compor a chapa de Marcio Bittar. Até o final de maio, o partido já estará decidindo sobre quem vai disputar este cargo. As convenções irão acontecer durante todo o mês de junho, em Rio Branco e em alguns municípios.

Aldemir acredita que prefeitos desgastados darão a volta por cima/Foto: Agência ContilNet
Aldemir acredita que prefeitos desgastados darão a volta por cima/Foto: Agência ContilNet

ContilNet – Quais são os partidos que compõem esta aliança?

Aldemir – Dos seis maiores partidos de oposição, cinco estão nesta aliança; é uma das mais fortes alianças dos estados do Brasil. Infelizmente, existem outros partidos que não quiseram se unir a este grupo, mas, mesmo assim, é uma força muito grande ter o PMDB, PSDB, PP, PSD, PR, PSC, PPS, PTdoB, PRTB, PTC e Solidariedade em uma aliança.

ContilNet – Como está a opoição no interior do estado?

Aldemir – Estamos trabalhando para constituir núcleos em todos os municípios, que serão os conselhos políticos mirins. Por enquanto, nos unimos aqui, mas sabemos que houve uma disputa municipal, em 2012, e isso deixou alguns membros de partidos ainda armados. Precisamos buscar esta unidade, conscientizar a todos que agora não somos mais 11 partidos que estão na construção de um projeto para ganhar as eleições. Agora, somos um só partido. Temos que buscar o entendimento para dar continuidade ao nosso projeto. Construir é difícil; e mais difícil é manter a unidade. Temos que manter este time unido. O conselho é um elo de ligação entre todos os partidos da aliança.

ContilNet – Quem está elaborando o plano de governo da Aliança Por um Acre Melhor?

Aldemir – Já existe um esboço do nosso plano de governo, mas precisamos discutir isso com todas as lideranças partidárias, ex-vereadores, ex-deputados, ex-prefeitos. Embora eles não tenham um mandato, eles têm muita experiência para repassar. Poderão ajudar muito. São mais de mil dirigentes partidários em todo o Acre que nós vamos ter que ouvir para que este programa seja construído de forma bem democrática, com uma visão bem ampla de todos os segmentos da nossa sociedade.

ContilNet – Todos sabem que esta aliança ainda enfrenta problemas com alguns membros da oposição. Por exemplo: as arestas com o ex-deputado José Bestene, do PP, já foram aparadas?

Aldemir – Eu não diria que tem arestas. O José Bestene é um membro do conselho. A gente discute tese. Alguns discutem, por exemplo, que seria interessante uma aliança dos partidos grande em uma única chapa de deputado estadual. Ele pode estar defendendo outra tese. Digamos que uma chapa própria do partido dele, ou várias chapas. Só que são teses. Não chegamos, ainda, a nenhuma conclusão. Na realidade, o que tem que ficar bem claro é que tudo o que for importante para nós ganharmos as eleições para governador e senador, nós vamos ter que fazer. E tudo aquilo que dificultar essa vitória, teremos que excluir. Se for melhor para ganharmos as eleições termos dez chapas, vamos ter dez chapas. Se for melhor ter apenas uma única chapa, que isso vai facilitar a vitória, iremos ter apenas uma chapa. Vamos defender esta tese. Não podemos colocar em risco a eleição do candidato ao governo do Acre e ao Senado. Repito: temos que excluir tudo o que coloca em risco a vitória.

ContilNet – A maioria dos prefeitos da oposição está desgastada, sem crédito com a população de seus municípios. Acha que eles poderão ajudar as candidaturas de Marcio Bittar e Gladson Cameli?

Aldemir – Entendo que não são somente os prefeitos da oposição que estão sofrendo desgastes. As últimas pesquisas indicam que maioria dos prefeitos, da oposição e da Frente Popular, estão abaixo da média de avaliação. Os únicos que estão de bem com a população é o de Cruzeiro do Sul, que é o mais bem avaliado, e o prefeito de Rio Branco. O restante, segundo as pesquisas, não têm uma avaliação boa. O que podemos fazer é dar um suporte técnico e político aos nossos prefeitos, para que eles, a partir de agora, que vai iniciar o verão e a liberação de recursos das emendas, possam reverter este quadro. Os nossos prefeitos têm muitas emendas que estão sendo liberadas pelo senador Petecão e os deputados Marcio Bittar, Antônia Lucia, Flaviano Melo e Gladson Cameli. Acredito que com um suporte técnico e político, eles irão conseguir desenvolver um bom trabalho até as eleições e resgatar suas popularidades. Acredito que eles vão ajudar nas eleições, sim.

ContilNet – E o Tião Bocalom, acha que ele ainda pode se juntar à aliança de Marcio Bittar e Gladson Cameli?

Aldemir – A candidatura do Bocalom é uma variável neste processo com que nós não contávamos. Ele era membro do PSDB, saiu para o DEM e lá se colocou como candidato a governador. Fizemos tudo foi possível para tê-lo conosco, mas ele teve sua opção, e tivemos que respeitar. As portas continuam abertas. Sempre defendemos que toda a oposição deveria estar unida. Mas isso não depende somente de nós.

Comentários