bittar (3)

“O PT enganou a todos nós agricultores do Acre com essa história de reserva, amarrou todo mundo e o resultado foi a que quase passamos fome com a enchente do rio Madeira”, disse o agricultor Raimundo Maciel ao candidato a governador Marcio Bittar (PSDB), da Coligação por Um Acre Melhor, em reunião na sua casa, na Variante, a estrada velha de Brasiléia. A revolta do colono representa fielmente os anseios de agricultores da região do Alto Acre, com quem Marcio Bittar e o candidato a senador Gladson Cameli (PP) se reuniram no último final de semana, numa agenda que iniciou-se em Xapuri na sexta-feira, 5, e só terminou no final da tarde de domingo, 7, no Ramal Mato Grosso, perto do rio Chipamano, na fronteira com a Bolívia.

Com a zona rural, especificamente, a agenda do Alto Acre começou sábado, no quilômetro 65 da estrada de Assis Brasil. Mais de 300 colonos, reunidos na sede duma associação, fizeram reivindicações aos candidatos Marcio Bittar e Gladson Cameli. A lista de reclamações é do tamanho da revolta com o PT. Era a oportunidade que Bittar e Gladson queriam para mostrar suas propostas para o setor agrícola, segundo eles massacrado pelos governos recentes. Bittar disse que além de “enganar ao povo com história de reservas”, o governo do PT ainda imprimiu um ritmo alucinante de perseguição aos agricultores, aplicando contra eles multas pesadas, algumas impagáveis. “Nós não produzimos mais nada porque vocês moram na terra, que compraram com o suor de vocês, mais não mandam nela, quem manda é o governo, que não permite isso, não permite aquilo, e ainda chega aqui para agredir vocês com multas”, disse sob muitos aplausos.

Para mudar a história do Acre no setor agrícola, Marcio Bittar disse que vai voltar a fazer aquilo que já exista como plano de governo há 25 anos, quando Flaviano Melo era governador do Acre. “Vamos mecanizar a terra, distribuir semente selecionadas e dar assistência técnica para as pessoas produzirem para comer e para vender. Meu governo vai garantir a compra de parte dessa produção, porque precisará para a merenda das escolas e para as refeições dos nossos hospitais. Não é possível mais viver nessa fantasia chamada florestania, que acabou marginalizando o homem do campo”, afirmou o candidato.

Marcio Bittar iniciará seu governo, em 2015, fazendo as pazes com o homem do campo, perdoando todas as multas aplicadas pelo Imac. As multas do Ibama irá negociar com o presidente Aécio Neves (PSDB). Essa é uma proposta que voltou a anunciar, uma vez que ela é parte de seu projeto de governo desde sua elaboração, a partir de março de 2013. “As pessoas precisam de uma chance para reiniciar suas vidas nas suas terras e eu vou anistiar as multas e incentivar as pessoas a produzirem. Falo daquilo que conheço, porque nasci na zona rural e me criei lá. Sei do que estou falando”, disse a cerca de 300 pessoas numa reunião na estrada velha de Brasiléia.

Ainda na conversa com agricultores, Marcio Bittar disse que a crueldade do PT começou pelos acordos com o Brasil e o mundo para não desmatar suas terras, sem assegurar nenhum benefício em troca disso. “Nós pagamos um preço por não desmatar, somos marginalizados se derrubamos uma capoeira, mas o PT não pensou em nenhuma compensação por isso. Muito pelo contrário. Deixou os agricultores a mercê de sua própria sorte, tentando enganar a todos com essa história furada de florestania, a maior falácia da história política de nosso Estado. No meu governo vou mudar essa história. Vamos transformar o Acre num lugar rico, com muita produção, porque nosso agricultor nunca foi preguiçoso, como o PT vive a afirmar”, disse.

Nas andanças por Brasiléia e Epitaciolândia, Marcio Bittar também foi convidado por um grupo de jovens para uma reunião no final da tarde de sábado. Com a rfapazeada tratou de assuntos de cultura, esporte e educação. Anunciou a construção da Escola Parque na região e expôs programas previstos em seu plano de governo, entre eles um que proporcionará a juventude participação em festivais de artes como a música e o teatro, além da disputa de modalidades esportivas, inclusive em nível nacional. No domingo, entre uma reunião e outra na zona rural, Bittar prestigiou uma corrida de cavalos promovida pela prefeitura de Epitaciolândia, onde se encontrou com amigos do agronegócio, entre fazendeiros, colonos e criadores de animais. “Me identifico com todos porque fui dono de terras até bem pouco tempo”, afirmou. De fato foi bem recebido.

Toda a agenda cumprida na região teve a participação dos prefeitos de Epitaciolândia, André Assem (PSDB), o de Brasiléia, Everaldo Gomes (PMDB), além dos de Assis Brasil, Doutor Betinho (PSDB), e Xapuri, Marcinho Miranda (PSDB). Marcio Bittar e Gladson Cameli também fizeram questão de estar acompanhado de candidatos a deputado estadual da região, bem como federais, entre eles o médico Edson Braga Rodrigues, o Doutor Edson, candidato pelo PSDB, além de Flaviano Melo (PMDB). Na companhia deles Bittar e Gladson participaram da maior carreata da campanha até aqui, organizada pelo ex-prefeito de Brasiléia, Aldemir Lopes, e pelo prefeito de Epitaciolândia, Andre Assem. Uma fila de carros com mais de um quilômetro de extensão percorreu as ruas dos dois municípios, chamando a atenção dos moradores e transeuntes. “Aqui a campanha pegou fogo. Vamos ganhar tranquilo a eleição”, dizia ao final o prefeito de Epitaciolândia.

Comentários