agenteOs agentes penitenciários do Acre, lotados na unidade Antonio Amaro Alves cruzaram os braços na manhã da próxima quinta-feira e segue por 24 horas com suas atividades paralisadas.

O presidente do sindicato da categoria Adriano Marques falou que busca chamar a atenção do governo do estado acerca das reivindicações que dizem respeito a melhores condições de trabalho e mudança da direção da unidade, já que a direção do Instituto de Administração Penitenciária (IAPEN) está sendo omissa e prevaricadora em relação ao caos da unidade Antonio Amaro Alves.

“No dia de 10 de março deste ano protocolei um ofício detalhando a situação de insegurança máxima da unidade prisional Antonio Amaro Alves, mas até a presente data nenhuma resposta foi dada, isto é o exemplo concreto de que quando se tem um mau subordinado é porque o seu superior e pior ainda”. Disse Marques.

Em relação à direção da unidade Antonio Amaro Alves, o sindicalista falou que:

“Há que se ressaltar que as principais reclamações que o SINDAP recebeu foi que a direção tem contribuído para o favorecimento do clima de insegurança e desordem dentro do Presídio, já que não vem aplicando – com a devida correção e seriedade – as medidas administrativas necessárias em relação aos presos, pretendendo “agradá-los” para que não façam reclamações ou denúncias contra a direção. Contudo, uma vez que a direção se utiliza desta forma, equivocada, de procedimento, cria um mecanismo de dependência em relação aos presos, vez que estes passam a exigir ações e favorecimentos que não deveriam existir, em troca de manter um “tratado de paz” em relação à direção. ”

Diretor da Unidade Antonio Amaro Alves, autorizou formalmente aos presos as solicitações para assistirem tv até a meia noite e comerem dois cachorros quentes aos domingos. De acordo com o sindicalista, todos os trabalhos considerados de emergência serão mantidos, como as escoltas de emergência, segurança interna e externa do sistema, transporte para atendimentos hospitalares e entrega da alimentação aos presos.

“Caso não haja resposta positiva do governo em dialogar com os agentes penitenciários, eles já anunciaram que podem deflagrar uma greve, só que desta vez por tempo indeterminado. Aproveito para registrar que incompetência e negligência da Direção do IAPEN precisam ter limites mais de 40 agentes penitenciários de Cruzeiro do Sul estão há mais de 60 dias esperando o deferimento de cautelas de armas institucionais”, finalizou Marques.

Fonte: Acreaovivo.com/Informações Assessoria

Comentários