Ícaro José Pinto foi ouvido e liberado pela Polícia Civil, na sexta-feira (7) — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre
Por Aline Nascimento

A defesa da família de Johnliane de Souza, de 30 anos, atropelada e morta por uma BMW na Avenida Antônio da Rocha Viana, em Rio Branco, na quinta-feira (6), solicitou à Polícia Civil do Acre a prisão do motorista do veículo Ícaro José Pinto.

As advogadas que representam a família, Gicielle Rodrigues e Débora Pessoa, estiveram na Delegacia da 1ª Regional, na Baixada da Sobral, na segunda-feira (10), com a mãe de Johnliane para conversar com o delegado que conduz as investigações.

“Fomos na delegacia para nos habilitarmos aos autos, acompanhar o andamento do processo e também pedir ao delegado que fossem tomadas as providências cabíveis dentro do corpo probatório robusto que existem nos autos. Solicitamos também o pedido de prisão e temos que aguardar”, confirmou Gicielle Rodrigues.

O motorista da BMW se apresentou na delegacia na sexta (7). Ele ficou calado durante o interrogatório e foi liberado. Porém, a namorada dele confessou à polícia que o casal passou a noite anterior em uma festa e tinha ingerido bebida alcoólica. Ícaro Pinto foi acompanhado também do pai e dono do carro, o ex-juiz eleitoral José Teixeira Pinto.

O motorista do outro veículo, que aparece nas imagens em alta velocidade na frente da BMW, Alan Lima, também se apresentou para prestar esclarecimentos sobre o caso. O advogado do rapaz, Giliard Souza, negou que o cliente tivesse responsabilidade no acidente e que estivesse fazendo racha.

A reportagem tentou contato com a família de Jonhliane, mas não conseguiu até a última atualização desta matéria.

Jonhliane Souza foi atropela e morta quando seguia para o trabalho na manhã desta quinta-feira (6) — Foto: Arquivo da família

Provas suficientes para prisão

Gicielle afirmou também que teve acesso aos autos de investigações e percebeu que há provas suficientes para pedir a prisão do motorista. Contudo, cabe a polícia fazer esse pedido e incluir no relatório final.

“Se vai ser pedida dos dois não posso afirmar. Temos em mente o Ícaro, o outro é com o Judiciário. Nós pedimos, mas quem decide é o juiz, o delegado que manda o relatório. Em relação a tese de defesa não podemos falar sobre ela agora”, afirmou.

A advogada acrescentou que tem conversado também com a mãe da vítima. Ainda muito abalada com a morte da filha, a mãe está vivendo à base de remédios.

“Não está conseguindo dormir, comer e foi para delegacia comigo, mas tinha tomado tranquilizantes. É uma mulher muito humilde e está abalada. Jonhliane era muito tranquila, responsável, morava com a mãe e estudava. Procurava um futuro melhor”, concluiu.

BMW ficou com a frente destruída após atingir motociclista — Foto: Arquivo pessoal

Acidente

Jonhliane foi atropelada enquanto ia para o trabalho na manhã de quinta (6). Ela trafegava pela Avenida Antônio da Rocha Viana quando foi atingida pelo carro conduzido por Ícaro. Imagens de câmeras de segurança mostraram a velocidade que a BMW passou na via.

Pelas imagens é possível ver quando passa um carro vermelho, logo depois uma motocicleta vermelha. Em seguida passam mais dois veículos, quando a BMW, em alta velocidade, passa pela direita e deixa algum objeto flutuando devido à alta velocidade.

Comentários