Conecte-se conosco





Brasil

Acre tem aumento de mais de 100% no número de mortes que precisam ser esclarecidas

Estado registrou 21 mortes de causas não esclarecidas em 2020, de acordo com Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Publicado

em

Por Iryá Rodrigues

O número de casos de mortes não esclarecidas no Acre mais que dobrou entre 2019 e 2020, segundo o 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O estado registrou no ano passado 21 mortes “a esclarecer” – um aumento de 107% em relação a 2019, quando foram computadas 10 mortes do tipo.

Conforme os dados, a taxa de mortes de causas não esclarecidas é de 2,3 para cada 100 mil habitantes no estado acreano.

Esses casos podem ter sido motivados por violência, mas não entraram para as estatísticas oficiais de homicídios. Isso acontece quando faltam informações sobre vítimas, casos e causa da morte.

Para chegar à estatística, foram consideradas apenas os “encontros de cadáveres sem lesões aparentes” e as mortes com “dúvidas quanto a suicídio ou morte provocada”. As mortes suspeitas acidentais e súbitas não foram incluídas.

O anuário tem dados relativos ao ano de 2019 e 2020, referentes aos 26 estados e ao Distrito Federal. As informações são com base em dados fornecidos pelas secretarias de segurança pública estaduais, pelas polícias civis, militares e federal dos casos que foram registrados pelas autoridades policiais.

O secretário de Segurança Pública do Acre, Paulo César Santos, disse que o número de casos que precisam ser esclarecidos é bem menor que o total de mortes registradas no estado. No entanto, segundo ele, com a contratação de mais servidores, um aumento de mais de 30% no efetivo, esse número deve reduzir nos próximos anos.

“Fortalecemos a DHPP [ Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa] com o ingresso de novos delegados e agentes, a DHPP contava apenas com um delegado em 2019 e a partir do final do ano passado passou a ter três delegados. As equipes também foram ampliadas. E acreditamos que a partir de então, esses números vão cair”, disse o secretário.

Mortes violentas

O Acre teve, no ano passado, segundo o Anuário, 294 mortes violentas intencionais. Os dados consideram os homicídios dolosos, os latrocínios, as lesões corporais seguidas de mortes e as mortes decorrentes de intervenção policial.

O número representa uma queda de 2,1% se comparado ao ano de 2019, quando foram contabilizados 296 casos de mortes violentas.

Dados da capital

A capital acreana fechou o ano de 2020 com uma taxa de mortes violentas intencionais maior do que a taxa de mortes registradas no Brasil como um todo.

Conforme os dados do Anuário, Rio Branco teve um total de 183 mortes violentas registradas naquele ano, o que resultou em uma taxa de 44,3, enquanto a média nacional foi de 23,6. Os números divulgados compõem as mortes provocadas por homicídios, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e as mortes cometidas pela polícia.

Rio Branco registra pelo menos 33% das mortes gerais registradas no estado em 2020.

Comentários

Em alta