fbpx
Conecte-se conosco

Acre

Acre tem 5ª maior taxa de recusa em doações de órgãos do país, diz estudo

Publicado

em

Associação Brasileira de Transplantes mostra que recusa chega a 76%.
Coordenadora de central de captação diz que religião pode ser um fator.

Recusa chega a 76% dos doadores em potencial (Foto: Divulgação/Santa Casa)

Recusa chega a 76% dos doadores em potencial
(Foto: Divulgação/Santa Casa)

G1

Levantamento feito pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) mostra que o Acre foi o 5º estado com a maior taxa de recusas em relação a doações de órgãos em 2015.

Segundo o Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), de todos os doadores em potencial, cujas famílias foram entrevistas, o não consentimento para a captação chegou a 76%.

O estudo mostrou que o Acre ficou abaixo apenas do Tocantins (TO), que teve 100% de recusa; Sergipe (SE) com 81%; Mato Grosso do Sul (MS) com 78%; e o Rio Grande do Sul (RS) com 78%. No estado acreano, em 2015, houve a notificação de 61 potenciais doadores. Desses casos, 33 entrevistas foram feitas e 25 famílias se recusaram a fazer a doação.

Conforme a ABTO, o estado só contabilizou sete doadores efetivos. Em contrapartida, o Acre fechou o ano de 2015 com 52 pacientes ativos na lista de espera para transplantes de rim (26), fígado (5) e córnea (21) – tipos de cirurgias realizadas atualmente no estado.

A coordenadora da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO) no Acre, Regiane Ferrari, aponta que o alto índice de recusa pode estar ligado a fatores culturais e religiosos. O programa de transplantes teve início em 2006 e já realizou, de acordo com a gestora, 250 cirurgias – 86 de rim, 10 de fígado e 154 de córnea.

“Cremos que há uma falta de conhecimento no assunto. Tem também a questão das pessoas ainda não acreditarem na morte encefálica e ainda questões religiosas, que temos que respeitar, muitos familiares nos apontam esses motivos”, ressalta Regiane.

Além disso, a coordenadora aponta outros gargalos enfrentados no Acre para que os índices de transplantes aumentem, como o transporte aéreo. “Para o sul do país, temos uma logística precária. Temos poucos voos e só noturnos. Isso nos coloca em muita dificuldade para enviar órgãos, material biológico, levar e trazer equipes para transplantar”, acrescenta.

Bons exemplos
Apesar de muitas famílias se recusarem a doar, algumas fazem questão de tentar modificação desse cenário. Foi o caso da família da estudante de jornalismo e estagiária da Rede Amazônica Acre, Marina de Oliveira Lima, de 23 anos, morta em um acidente de carro na última segunda-feira (4) em Rio Branco, que decidiu doar as córneas.

Na época, a irmã de Marina, Izabelle Lima, disse que a decisão foi tomada baseada no desejo da própria estudante quando estava viva. “Quando soubemos da morte, fomos informados que ela poderia doar as córneas. Então, por conhecermos o coração da minha irmã, sabíamos como ela agiria nessa situação e, por isso, optamos pela doação”, falou na época.

Outro caso foi dos parentes da vendedora Keyla Viviane dos Santos, de 29 anos, morta a facadas quando saia da loja onde trabalhava também na capital acreana. A família também concordou com a doação das córneas. A própria filha de Keyla, de 15 anos, teria decidido pelo transplante.

“A decisão partiu da filha dela que a viu morrer e estava na hora do crime. Minha avó concordou e decidimos doar. Não foi possível doar mais órgãos por conta da hemorragia, senão, teríamos doado outros também. É algo dela que está vivo dentro de outra pessoa. Isso nos conforta”, acrescentou Tavares.

Comentários

Continue lendo

Acre

Estado revitaliza biblioteca do Presídio Feminino de Rio Branco

Publicado

em

Por

A biblioteca do presídio feminino ganhou uma cara nova, com uma decoração mais aconchegante e propícia para que as reeducandas possam usufruir com mais qualidade e até promover o interesse pela leitura.

Biblioteca do presídio feminino de Rio Branco. Foto: Zayra Amorim/ Iapen

A pequena reforma feita no local foi finalizada na última segunda-feira, 27, e durou 20 dias. Foram utilizados apenas materiais reciclados de outras obras que acontecem no presídio feminino, como sobras de tintas e madeiras. As estantes para os livros foram produzidas no Polo Moveleiro pelos detentos que trabalham no local. Com isso a sala que antes era simples, passou a ser mais confortável e convidativa.

O espaço fica aberto e disponível para as detentas durante o dia inteiro e além de abrir as portas da educação, a leitura pode proporcionar a remissão de pena para as detentas. É um direito garantido pela Lei de Execuções Penais (LEP).

Reeducanda usufruindo do espaço de leitura na biblioteca do presídio feminino. Foto: Zayra Amorim/Iapen

A diretora da unidade, Dalvani Azevedo, explica que o espaço da biblioteca vai além dos livros e funciona como um local para que as reeducandas possam se sentir em paz e refletir: “Além dos livros, além da decoração, da reorganização de tudo, é um momento de reflexão, prazeroso. Com a interação com os livros, elas têm esse momento aqui para refletir sobre muita coisa. Estar em um ambiente fora da cela é diferente. É um novo recomeço. Ressocializar é isso, é recomeçar. E a gente tende a tentar fazer isso por meio da educação. A educação transforma as pessoas, e aqui tem essa oportunidade”.

Detenta tendo acesso ao acervo de livros da biblioteca do presídio feminino. Foto: Zayra Amorim/ Iapen.

Muitas das detentas só começaram a ter acesso e se interessar pela leitura enquanto cumpriam pena. É o caso da S.S.: “Era uma coisa que, outrora, para mim, não era interessante. Aqui não, eu tenho mais aquela vontade de ler, de buscar mais, de conhecer, de aprender. Não tinha muita oportunidade na rua, não”.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo

Acre

Festa dos Terceirizados acontece no sábado (8/06) com shows e sorteios

Publicado

em

Parque das Acácias recebe evento tradicional para trabalhadores do Acre. Sindicato promete premiações e diversão na Festa dos Terceirizados

A tradicional Festa dos Terceirizados será realizada no próximo sábado, 08 de junho, no Parque das Acácias, em Rio Branco, em alusão ao Dia do Trabalhador Terceirizado. A programação tem início às 10h e conta com shows, bingo, sorteio e alimentação.

A Festa é realizada desde 2018, inclusive durante a pandemia com live de sorteio de brindes, já é tradição em Rio Branco. A organização espera receber milhares de trabalhadores do ramo das terceirizadas de todo Acre.

O evento busca homenagear e destacar a importância que os trabalhadores desempenham para a sociedade acreana. O evento é aberto a todo trabalhador terceirizado e família e, por questão de segurança, haverá revista nas entradas.

“Estamos organizando uma programação super especial, com prêmios, bingo de moto 0km e muito mais, para os nossos homens e mulheres do setor da Terceirização. Em 2023 conseguimos reunir mais de 4 mil pessoas na Concha Acústica, este ano preparamos tudo para receber mais pessoas. Venha e traga toda sua família”, pontuou a presidente do Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Acre, Neide Lima.

A Festa do Trabalhador Terceirizado já se tornou um evento anual. Em 2023, a organização reuniu mais de 4 mil pessoas na Concha Acústica e teve como grande prêmio uma moto 0km.

A festa é gratuita e organizada pelo Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Acre; Deputado Estadual Fagner Calegário; SL Consetac; Governo do Acre.

Comentários

Continue lendo

Acre

Coordenadora estadual de imunização fala sobre vacinação contra a poliomielite no Govcast

Publicado

em

Por

No Govcast, o podcast do Governo do Estado, transmitido em cadeia pelas Rádios Aldeia FM, Difusora, Instagram e Youtube a coordenadora estadual do Programa Nacional de Imunização (PNI), Renata Quiles, e o médico Osvaldo Leal falaram sobre a importância dos pais e responsáveis levarem as crianças menores de cinco anos para serem imunizadas contra a poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil, na campanha de vacinação lançada pelo Ministério da Saúde de 27 de maio a 14 de junho de 2024.

Durante o Govcast, médico Osvaldo Leal e coordenadora do Programa Estadual de Imunização, Renata Quiles, aproveitaram o destaque da campanha de vacinação contra a pólio para enfatizar a importância das vacinas para a saúde pública. Foto: Pedro Makleuri/Secom

Aos jornalistas Jefson Dourado e Paula Amanda a coordenadora esclarece que poliomielite é uma doença infectocontagiosa aguda, causada pelo poliovírus, que pode causar paralisia muscular dos membros inferiores de forma assimétrica, irreversível, podendo levar a óbito e em casos graves da doença. Portanto, e vacinação é a principal forma de prevenção.

Renata Quiles detalha que o público-alvo da campanha são crianças menores de cinco anos. As aplicações serão feitas de acordo com a avaliação do cartão de vacinação. O esquema vacinal para menores de um ano prevê três doses injetáveis, administradas aos 2, 4 e 6 meses. As crianças de 1 a 4 anos que já completaram esse esquema devem receber a dose oral da vacina, conhecida como gotinha.

“Para a campanha no Acre o MS enviou cerca de 70 mil doses, devendo chegar a até 90 mil doses até o final da campanha. As vacinas contra a poliomielite estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde de Rio Branco e nos municípios, onde as prefeituras são encarregadas pela logística”, reforçou.

O médico Osvaldo Leal reforça que a vacinação é essencial para reduzir o risco de reintrodução do poliovírus no Brasil, onde a doença foi eliminada nos anos 90, acrescentando ser importante utilizar os espaço de comunicação disponibilizado pelo Estado para combater o negacionismo a ciência e a desinformação sobre a importância para a saúde pública, ter uma população devidamente vacinada.

“A vacinação sempre fez parte da estratégia da saúde pública para combater doenças graves. Portanto, mães, levem seus filhos pois a prevenção é o melhor caminho e a ciência estuda e pesquisa o rumo certo para um vida com saúde ”, alertou Leal.

Fonte: Governo AC

Comentários

Continue lendo