fbpx
Conecte-se conosco

Geral

Acre produz mais de 10 mil toneladas de borracha e castanha e se destaca em pesquisa do IBGE

Publicado

em

Acre produz mais 10 mil toneladas de borracha e castanha e se destaca em pesquisa do IBGE — Foto: Agência Pará/Divulgação e SOS Amazônia

Acre produz mais 10 mil toneladas de borracha e castanha e se destaca em pesquisa do IBGE — Foto: Agência Pará/Divulgação e SOS Amazônia

O Acre permanece entre os maiores produtores do país de borracha e castanha-do-pará, segundo a Pesquisa do Extrativismo Vegetal e da Silvicultura (PEVS), divulgada nessa quinta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2021, conforme o levantamento, foram produzidas 9,8 mil toneladas de castanha-do-pará no Acre, o que equivale a 29,3% do total produzido no país, com valor da produção de R$ 57,2 milhões. Esse valor que corresponde a 52% do montante de dinheiro total produzido pela extração vegetal do Estado.

Segundo o IBGE, esse resultado foi impulsionado por maior disponibilidade de produto coletado em decorrência de preço médio mais elevados.

Xapuri lidera a produção acreana de castanha-do-pará, com mais de 1,8 mil toneladas. Rio Branco e Brasileia ficam em segundo e terceiro lugar com produção de 1,4 e 1,3 toneladas de castanha, respectivamente.

No ranking, o Amazonas aparece em primeiro lugar na produção da castanha-do-pará, com 11.737 toneladas produzidas no ano passado. Apesar de ter produzido mais castanha que o Acre, em quantidade, o valor gerado foi menor, ficando na casa dos R$ 38,5 milhões.

Assim como na castanha, a produção de borracha no Acre teve destaque entre os estados brasileiros. O Acre também ficou em segundo lugar no ranking, com uma produção de 364 toneladas no ano passado, gerando um R$ 4,8 milhões. Xapuri também lidera a produção de borracha, com 150 toneladas produzidas.

Essa produção superou em 14% a de 2020, quando foram produzidos 318 toneladas de borracha, totalizando um valor de R$ 3,9 milhões.

Segundo o IBGE, esse produto tem variado positivamente desde 2016, impulsionada pelo crescente valor do preço pago ao extrativista, fato possível devido à agregação de valor no âmbito da Cooperativa Central dos Extrativistas, inserção do produto em mercados diferenciados e pela política de subvenção federal e estadual.

O Acre fica atrás somente do Amazonas na produção de borracha. Isso porque, o estado produziu 374 toneladas desse produto no ano passado. Assim como no caso da castanha-do-pará, apesar de ter ficado em primeiro lugar entre os estados com maior produção de borracha, o valor gerado com o produto foi menor que do Acre, com um total de R$ 1,9 milhão.

Maior valor produzido da última década

O levantamento mostra que o valor da produção da extração vegetal no Acre é o maior dos últimos 10 anos. Em 2021, este valor totalizou R$ 110,7 milhões, representando um crescimento de 87% se comparado ao ano de 2020.

A pesquisa ‘Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura’ fornece informações estatísticas sobre quantidade de produtos da silvicultura – produtos provenientes da exploração de maciços florestais plantados – e do extrativismo vegetal – produtos obtidos da exploração de recursos florestais nativos.

Em 2021, 99,9% do valor gerado no Acre foram oriundos dos grupos: alimentícios (58%), madeiras (38%) e borracha (4%). O grupo de alimentícios aumentou participação no valor gerado comparando com 2020, passando de 40% para 58% e, por outro lado, o grupo madeiras reduziu sua participação em 2021, passando de 54% para 38% do valor gerado.

O grupo de alimentícios é composto por castanha, açaí e outros (buriti). A castanha, com R$ 57,2 milhões gerados, é o destaque deste grupo representando 89% do valor do grupo e 52% do valor total da produção de 2021. Comparando com 2020, o produto aumentou valor gerado em 224%.

O produto açaí segue em estabilidade com produção de 4.655 toneladas e valor gerado de R$ 6,4 milhões.

Madeira e carvão vegetal

O grupo de madeiras é composto pelos produtos madeira em tora, lenha e carvão vegetal. A madeira, com R$ 33,2 milhões gerados, é o destaque deste grupo representando 79% do valor do grupo e 30% do valor total da produção do ano passado. Compara com 2020, o produto aumentou o valor gerado em 41%, correspondente a um volume explorado de 338.924 m³.

A produção de carvão vegetal segue em estabilidade com produção de 2.081 toneladas em 2021. Já a lenha, considerando últimos 10 anos, continua o processo de declínio totalizando 355.208 m³ no ano passado. De acordo com o IBGE, isso é devido à substituição desta fonte de energia e demanda por fornecimento regular.

Os cinco municípios que mais geraram valor com a extração vegetal foram Rio Branco (R$16 milhões), Xapuri (R$13,4 milhões), Feijó (R$12,9 milhões), Sena Madureira (R$12,5 milhões) e Brasileia (R$ 9,2 milhões).

Os produtos que mais de destacam nos referidos municípios são, respectivamente, castanha e madeira em Rio Branco; castanha e borracha em Xapuri, madeira e açaí em Feijó; castanha e madeira em Sena Madureira; e castanha em Brasileia.

Comentários

Continue lendo

Geral

Na cadeia: Polícia Civil  prende cantor sertanejo em boate de Rio Branco 

Publicado

em

O cantor sertanejo das iniciais Hangell Borges foi preso na madrugada deste sábado, 25, na boate MOON, em Rio Branco. A ação policial foi realizada por agentes da Delegacia Interestadual (Polinter).

O sertanejo foi abordado pelos agentes da Polinter por volta das duas horas da manhã.

Ele estava com a prisão preventiva decretada  há vários dias por não pagar pensão alimentícia.

De acordo com informações, por várias vezes agentes da Polícia Civil tentaram cumprir a ordem judicial, mas o cantor não era encontrado no endereço fornecido.

O mandado de prisão foi enviado a Polinter e na madrugada deste sábado uma equipe comandada pelo delegado Roberth Alencar localizou o cantor e cumpriu a ordem judicial.

Segundo informações, o cantor que exibia uma vida de festa e luxo nas redes sociais, deve R$ 30 mil de pensão alimentícia.

Comentários

Continue lendo

Geral

Chuvas devastam agronegócio gaúcho: prejuízos já se aproximam dos R$ 3 Bilhões

Publicado

em

Por

As chuvas intensas que assolam o Rio Grande do Sul há mais de um mês continuam a causar estragos significativos em diversos setores da economia do estado. De acordo com o boletim divulgado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) nesta sexta-feira (24.05), as perdas financeiras na agricultura já somam R$ 2,7 bilhões, um aumento em relação aos R$ 2,2 bilhões contabilizados no último sábado (18.05). Além disso, os danos econômicos gerais no estado subiram de R$ 4,6 bilhões para R$ 10,6 bilhões, conforme a CNM.

Os cálculos apresentados pela Confederação são parciais e podem variar diariamente. Até o momento, apenas 94 municípios inseriram os valores de prejuízos públicos e privados no sistema da entidade, o que sugere que os números podem ser ainda maiores à medida que mais dados sejam contabilizados.

O setor pecuário também foi duramente atingido, com perdas que passaram de R$ 220,5 milhões no relatório anterior para R$ 245,4 milhões no boletim mais recente.

A CNM destaca que os danos causados pelas chuvas estão impactando severamente a economia gaúcha, exigindo atenção e medidas urgentes para mitigação e recuperação. O cenário de calamidade reforça a necessidade de apoio estadual e federal para os municípios mais afetados, garantindo que recursos e assistência cheguem rapidamente às regiões devastadas.

Fonte: Pensar Agro

Comentários

Continue lendo

Geral

Segurança particular sofre parada cardíaca e morre em rua de Epitaciolândia

Publicado

em

Antônio Sansão dos Santos Filho, de 48 anos, morreu após sofrer uma parada cardíaca na Rua Capitão Pedro Vasconcelos, em Epitaciolândia, na noite desta sexta-feira (24). O incidente ocorreu em frente a um posto de saúde do município.

De acordo com testemunhas, Antônio, que era segurança particular e morador de Epitaciolândia, caiu na calçada após se sentir mal. Infelizmente, ele faleceu antes de receber atendimento médico.

A Polícia Civil e Militar foram acionada e ao constatarem o óbito, foi enviado o veículo do Instituto Médico Legal (IML) para resgatar o corpo e levá-lo ao hospital para os procedimentos necessários e encaminhamento ao necrotério.

As autoridades policiais estão tratando o caso como morte natural. Antônio era conhecido na comunidade local e sua morte causou comoção entre os moradores e familiares.

Comentários

Continue lendo