O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos se reunirá na quarta-feira, a pedido de cinco de seus países membros. A razão, a violência que eclodiu devido ao curso da recontagem eleitoral.

Conselho Permanente da OEA Foto: OEA
Rubén Ariñez / La Paz - 14:04 / 22 de outubro de 2019

A pedido das representações do Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Venezuela, o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reunirá nesta quarta-feira em uma sessão extraordinária para considerar a situação na Bolívia.

“O Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) se reunirá em uma sessão extraordinária. MANHÃ, quarta-feira, 23 de outubro, às 11h00 (16h00), na sala Simón Bolívar da sede da OEA em Washington, DC, para considerar ‘a situação na Bolívia’, de acordo com a solicitação das Missões Permanentes do Brasil, Canadá, Colômbia, Estados Unidos e Venezuela ”(Sic), relata uma declaração publicada no site da organização internacional .

As ruas das nove capitais da Bolívia acordaram terça-feira com uma calma tensa após os violentos protestos que eclodiram horas após as eleições presidenciais, cujo cálculo é marcado por alegações de suposta fraude que favorecem o presidente Evo Morales. No entanto, a tendência é que a violência volte a surgir e que os setores em conflito fizeram apelos à mobilização em defesa de suas posições.

Um deles foi feito pelo Conselho Nacional de Defesa da Democracia (Conade) da oposição e outro pelo Oficial de Coordenação Nacional para a Mudança (Conalde). Ambas as frentes convidaram mobilizações a partir desta quarta-feira.

O conflito foi ativado após segunda-feira, o Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) reativar o chamado TREP (Transmissão de Resultados Eleitorais Preliminares) com dados que projetavam (para 95%) a vitória de Morales no primeiro turno, após uma súbita suspensão, o Domingo, quando o mesmo sistema (83%) anunciou uma segunda rodada entre o candidato oficial e o opositor Carlos Mesa de Comunidad Ciudadana (CC).

A missão de observadores da OEA, por meio de um comunicado, manifestou sua “profunda preocupação e surpresa com a mudança drástica e difícil de justificar na tendência de resultados preliminares” e anunciou que “apresentará um relatório com recomendações por um segundo de volta.

Antes, Mesa havia chamado para realizar uma vigília às portas dos tribunais eleitorais departamentais do país para “cuidar do voto em defesa da democracia”, que o Ministro do Governo, Carlos Romero, interpretou como um chamado à violência a partir do qual , alertou, ele terá que assumir a responsabilidade.

A missão da OEA anunciou em La Paz que mantém seus delegados nas nove regiões do país para monitorar com precisão o cálculo oficial dos votos que até 13h30 alcançavam 85% dos votos.

O governo boliviano, liderado pelo presidente Morales, se reuniu com diplomatas credenciados no país para tratar da situação.

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores da Bolívia Diego Pary anunciou que o convite para os embaixadores, incluindo o gerente de negócios dos Estados Unidos, Bruce Williamson, seria participar dessa tarefa que, na opinião da Grande Casa do Povo, atestará A transparência do processo eleitoral.

Por seu turno, os Estados Unidos anunciaram “trabalhar com a comunidade internacional” para denunciar aqueles que enfraquecem a democracia na Bolívia .

Comentários